top of page

SINGAPURA  - O futuro era aqui -  República de Singapura -
parte 1/4

SINGAPURA -panoramica.jpg.jpg

Segurança

Foi  eleita a nona cidade mais segura do mundo, pelo Global Peace Index Report  2022 e a

melhor cidade do mundo para viver.

Singapura era uma ensolarada ilha tropical, localizada no sudeste da Ásia, habitada por cerca de cinco milhões de pessoas de quatro comunidades principais: os chineses ( que eram a maioria), os malaios, os indianos e os eurásianos. Oficialmente era República de Singapura, uma Cidade-estado, localizada na ponta sul da Península Malaia, a 137 quilômetros ao norte do Equador. Um país insular, constituído por 63 ilhas, era separado da Malásia pelo Estreito de Johor, ao norte, e das Ilhas Riau (Indonésia) pelo Estreito de Singapura, ao sul. Era o país com melhor IDH dos países Asiáticos, e 9° melhor do mundo em 2019. O seu território, era altamente urbanizado, mas quase metade dele ainda era coberto por vegetação.

Um pouco de história...

Novas áreas de terras estavam sendo criadas para o desenvolvimento, por meio de aterramento marítimo. Singapura tinha sido uma parte de diversos impérios locais, desde que fora habitada, no século II d.C. A Singapura moderna, foirafundada para ser um posto comercial da Companhia das Índias Orientais, por Sir Thomas Stanford Raffles, em 1819, com a permissão do Sultanato de Johor. Os britânicos obtiveram a soberania completa da ilha, em 1824, e a cidade se tornara um dos Estabelecimentos dos Estreitos Britânicos, em 1826. Fora ocupada pelo Império do Japão, na Segunda Guerra Mundial e voltara ao domínio britânico, após a Guerra. Tornara-se auto governada internamente, em 1959. O território unarau-se a outros ex-territórios britânicos para formar a Malásia, em 1963, e tornara-se um Estado totalmente independente, dois anos mais tarde após a separação da Malásia.

​Desde então, tivera um aumento surpreendente em termos de riqueza, tornando-se um dos chamados Quatro Tigres Asiáticos. Sua  economia dependia fortemente da indústria e dos serviços. O país era um líder mundial em diversas áreas: era o quarto principal centro financeiro do mundo, o segundo maior mercado de jogos de Cassino e o terceiro maior centro de refino de petróleo do mundo. ​O porto da cidade era um dos cinco portos mais movimentados do mundo. O país era o lar do maior número de famílias milionárias,  do planeta em dólares per capita. O Banco Mundial considerava a cidade, como o melhor lugar no mundo para se fazer negócios. O país tinha o terceiro maior PIB per capita por paridade do poder, de compras do mundo, tornando Singapura um dos países mais ricos do planeta. Eram quatro as línguas oficiais do país (inglês, chinês, tâmil e o malaio) e, de seus mais de cinco milhões de habitantes, estimava-se que pouco mais da metade seja composta por nativos. Nos últimos anos, imigrantes de toda parte se mudaram para essa ilhota asiática atrás de melhores salários, qualidade de vida e pelo alto índice de desenvolvimento.

​A cidade era uma República Parlamentar, com um sistema  Westminster de Governo Unicameral. O Partido de Ação Popular (PAP) ganhara todas as eleições desde a concessão britânica de autonomia interna, em 1959. O sistema legal de Singapura tinha suas bases no sistema da common law inglesa, mas modificações foram feitas a ela ao longo dos anos, como a remoção de julgamento por júri. A imagem popular do PAP, era a de um Governo forte, experiente e altamente qualificado, apoiado por um serviço especializado civil e um sistema de educação, com ênfase na realização e na meritocracia. No entanto, o partido era visto por alguns eleitores, críticos da oposição e observadores internacionais, como sendo autoritário e demasiado restritivo, quanto a liberdade individual. A verdade, era que o Governo precisava ser forte e conduzir os destinos do país com seriedade, firmeza em suas decisões, competências e severidade. Deu mole a bandidagem toma conta. O Brasil é um exemplo, de incompetência de governos corruptos, fisiologistas e mal intencionados. A mais pura bandidagem, está instalada  aqui há mais de 20 anos...

Singapura era território de tráfico de drogas e reduto de milhares de drogados, que viviam pelas ruas imundas da cidade. Até que um dia, um senhor de nome Lee Kuan Yew, fora eleito mandatário e decidira recuperar a cidade e transformá-la numa moderna metrópole. Começara por criar normas rígidas de condutas para a população, e estabelecera que todos os malfeitos seriam punidos com os rigores das novas leis que estavam sendo criadas. Fora um Deus nos acuda: começava a caça aos drogados, que eram estimados em mais de 500 que viviam nas ruas. Em seis meses, cerca de 450 foram eliminados do convívio social, e os 50 restantes foram conduzidos a centros de recuperação social. O trafico de drogas e seu uso, era severamente punido com a pena de morte. Nos aeroportos, estações de trens e metrôs havia cartazes advertindo as pessoas sobre as exigências governamentais e as severas punições passíveis de serem aplicadas.

Segundo a consultoria Euromonitor International, em 2019, nada menos do que 17.800 milhões de pessoas visitaram a cidade, atraídos por sua modernidade e as inúmeras atrações que encantavam e surpreendiam os visitantes. ​Alguns voos vindos da Europa ou Oriente Médio chegavam ao meio ou ao final da tarde, possibilitando que se aproveitasse ainda a primeira noite. Não perca tempo, siga direto para o hotel reservado. Quem já  visitou os Estados Unidos e a Europa, por exemplo, e acha que conhecia o Primeiro Mundo, era porque ainda não visitou Singapura!

Quem era Lee Kuan Yew

Era um político que fora Primeiro-ministro de Singapura, de 1959 a 1990. Depois de formar-se pela London School of Economics, Lee formara-se também no Fitzwilliam College, Cambridge, com honras em Direito de Primeira Classe. Tornara-se advogado do Templo do Meio, em 1950, e exercera advocacia até 1959. Fora co-fundador do Partido da Ação Popular, que governava o país desde 1959 – e também o primeiro integrante do partido a ocupar o cargo de Primeiro-ministro. Quando deixara o poder em 1985, Lee já tinha vencido sete eleições e era o Primeiro-ministro mais longevo do mundo. Comandara o país durante sua fusão e sua subseqüente separação da Malásia, algo que descrevera como um momento de angústia. Falando à imprensa após a separação, em 1965, ele afirmara que construiria uma nação meritocrática e multirracial. Mas a pequena Singapura – com pouquíssimos recursos naturais – precisava de um novo modelo econômico. Sabíamos que se fossemos iguais aos nossos vizinhos, morreríamos. Não tínhamos nada para oferecer além do que eles tinham para oferecer. Então tivemos que produzir algo diferente e melhor do que o que eles tinham, disse ao jornal americano New York Times, em 2007. Lee tomara medidas austeras para coibir a corrupção do país, criara programas de construção de casas a preços populares e de industrialização para criar emprego.

 

Ele também tentara unir os diversos grupos étnicos que habitavam na ilha, forjando uma identidade baseada no multiculturalismo. O Primeiro-ministro, no entanto, mantinha um firme controle da Cidade-estado, o que a transformara em uma das sociedades mais reguladas do mundo. Para controlar o crescimento populacional, aumentara os impostos para os que tinham mais de dois filhos. Anos depois, isentara as mulheres com educação superior dessas políticas, para encorajá-las a terem famílias maiores. Havia políticas em prática para que os cidadãos fossem mais gentis, menos barulhentos, aprendessem a dar descarga sanitária e até deixassem de mascar chiclete. O Governo também proibira o grafite em muros. Eramos chamados de Estado babá, mas o resultado era que hoje nos comportamos melhor e vivemos em um lugar mais agradável do que há 30 anos. Um socialista de formação, ele tornara-se anticomunista, mas fora acusado por críticos de adotar uma série de práticas de regimes comunistas, como o controle de diversos aspectos da vida dos cidadãos e proibi-los de algumas práticas nocivas à vida em sociedade, chegando ao extremo de adotar a pena de morte sumária.

Comece a visitar Singapura

Feito o check inn, deixe a bagagem no hotel e pegue o Metrô para a região de Clarke Quay, descendo na Estação Clarke Quay. Passeie pelo Singapore Riverpor meio de um River Cruise, partindo de Clarke Quay em direção à Marina Bay. Ao final do dia, prepare-se para assistir a luz do sol refletir nas fachadas das construções, e as primeiras luzes começarem a  acender. Ao final do passeio de  barco, siga para o centro do Clarke Quay, para visitar os bares e restaurantes e escolha um para jantar. Outra opção era seguir de Metrô para o Complexo Fullerton Heritage (Estação Raffles Place), para assistir ao pôr do sol no Merlion Park, e depois pegar um water taxi  até Clarke Quay, para apreciar o caminho sob outro ângulo, e então visitar o miolo dessa região, repleta de restaurantes e bares que ofereciam pratos do mundo todo.

Arte e cultura

De acordo com sua diversidade cultural, os habitantes de Singapura reuniam suas celebrações ao redor das principais festividades das respectivas religiões que conviviam no país. Os descendentes de chineses eram basicamente taoístas ou budistas, e alguns professavam o cristianismo; também eram encontrados seguidores da religião muçulmana e hindu. Existia uma larga tradição de cultivar a ópera chinesa, uma mistura de diálogos, música, canções e bailes, e a cultura teatral proveniente da lendária Dinastia Ming. Pelas ruas da cidade, normalmente eram apresentadas atuações populares, especialmente no Ano Novo Chinês. 

Geografia

​A Cidade-estado era formada por 63 ilhas, dentre elas a ilha de Singapura. Havia duas conexões para Johor,  Malásia – a Johor-Singapura Causeway, no norte, e a Malasia-Singapura Second Line, no oeste, e que constituiam as travessias da fronteira Malasia-Singapura sobre os estreitos de Johor.  As Ilhas de Jurong, Pulau-Tekong, Pulau Ubin e Sentosa, eram as maiores ilhas de Singapura. O maior ponto natural,  era a colina Bukit Timahcom 166 metros de altura. ​O sul da cidade, em torno da foz do Rio Singapura,  que era agora a área central, costumava ser a única área urbana concentrada, enquanto o restante do terreno era de floresta tropical ou utilizado para a agricultura. Desde 1960, o Governo vinha construindo novas vilas residenciais, em áreas periféricas, resultando em uma paisagem totalmente urbana. Atualmente, estava passando por projetos de aterros com terra retirada de seu território e de países vizinhos. A febre pelo crescimento era demonstrada pela grande quantidade de obras espalhadas pela cidade, pelas gruas e também pelos aterros ininterruptos.

Como resultado, sua área territorial aumentara de 581,5 km², em 1960, para 704 km² atualmente, e poderia aumentar mais 100 km ² até 2030. Os projetos, por vezes envolviam algumas das ilhas menores, que eram unidas através de recuperação de terras a fim de formar grandes ilhas mais funcionais, como no caso da Ilha de Jurong. A cidade tinha dois grandes desafios: a recuperação de áreas que precisavam ser aterradas e a água potável, com cerca de 60% do consumo proveniente da Malásia, através de dutos. Além disso, dispunha de vários lagos artificiais, com água potável e processo de dessalinização da água do mar. 

O clima

Singapura tinha um clima equatorial, sem estações distintas, caracterizado por temperatura uniforme e pressão alta, umidade e chuvas abundantes. As temperaturas variavam entre 22 °C a 34 °C. Em média, a umidade relativa era de cerca de 90% na parte da manhã e 60% à tarde. Durante as chuvas fortes e prolongadas, a umidade relativa muitas vezes chegava a 100%. As temperaturas mais baixas e mais altas já registradas foram de 19,4 °C e 35,8 °C, respectivamente. Os meses de Junho e julho eram os mais quentes, e novembro e dezembro, formavam o período das Monções.

De agosto a outubro, muitas vezes havia neblina, algumas até grave o suficiente para motivar as advertências da saúde pública, devido às queimadas que ocorriam na vizinha Indonésia. ​As chuvas eram um pouco mais elevadas, no período de outubro a março, época que poderia ser chamado de estação seca, e as precipitações eram abundantes. As chuvas podiam ocorrer a qualquer momento do dia, e surgir de forma torrencial durante um breve período do dia ou durante algumas horas. Era normal que num mesmo dia amanheçesse com céu azul quase sem nuvens e que ocorresse uma forte chuva no período da tarde. ​Um fator chave para entender o clima daqui, algo que não revelavam as estatísticas ou os Guias, era a sensação térmica. Essa era resultado da associação entre umidade sempre alta e a ventilação. A sensação térmica, podia ser bastante superior ao que indicavam os termômetros. Por isso, boa parte dos locais fechados e o transporte público, contavam com algum tipo de sistema de refrigeração, seja de ventiladores ou ar condicionado.

Transporte

Aqui estava um dos mais modernos aeroportos do mundo, o Aeroporto de Singapura, também conhecido por Aeroporto de Changi. Era um dos mais importantes aeroportos da Ásia, em particular no Sudeste. Diariamente recebia cerca de 4.000 vôos de 80 companhias áreas, que voavam para mais de 180 cidades e m 57 países. O Aeroporto de Singapura, fora importante no desenvolvimento econômico do país, empregava 13.000 pessoas e em 2019, apresentara um lucro de 4.5 bilhões de dólares.

Ônibus turístico​

A cidade também contava com os tradicionais ônibus turísticos ( Duck & Hipo ), nos quais se pagava um valor fixo e podia-se subir e descer um número ilimitado de vezes durante um período fixo. Era uma boa opção para quem dispunha de pouco tempo, e queria uma visão menos profunda da cidade,  e por um outro ângulo, desde o segundo piso de um desses ônibus. Eram sete linhas: vermelha, amarela, azul, marrom, verde e a safári 1 e 2, cada uma fazendo um circuito, com duração e preços variados. Havia outras propostas de tours:Singapore Duck Tour, Hippo City Tour, Classic Troley City Tour, Hippo Night, Moonlight Adventure, Gourmet Lunch, Gourmet Hi-tea, Gourmet Dinner e o Singapore 7, com validade até 48 horas.

Sinônimo de limpeza

No trajeto até o Controle de Passaportes, caminhando pelo ar perfumado,  via-se paredes verdes impecavelmente cuidadas, equipes de limpeza agindo, e banheiros de alta tecnologia, com telas de feedback interativas. A cidade toda era super limpa, por  duas simples razões: as leis eram rígidas e puniam que jogasse lixo nas ruas e o povo, que era educado e tinha respeito comunitário, contribuia com tudo isso. Nesta pequena Cidade-estado com pouco menos de 60 anos de Independência Nacional, limpeza era sinônimo de profundas conquistas sociais, e  de um crescimento econômico sem precedentes.  A obsessão pela limpeza pública criara, muito antes da pandemia do Covid, uma preocupação constante pelo aperfeiçoamento dos serviços praticados pelos agentes públicos, bem como o aperfeiçoamento dos métodos e procedimentos, o que contribuia para a contenção, da disseminação do vírus. Procure conhecer uma parada de ônibus para ver a diferença... 

​Aeroporto Changi

Era um Aeroporto surpreendente, acarpetado e perfumado. Entre comodidades que oferecia, havia um cinema gratuito aberto 24 por dia, o Transit Lounge com televisão e cadeiras de couro para relaxar, um imenso Pub lic Lounge, Serviços de Barbearia e Salão de Beleza, Shower & SPA Service, piscina no Roof do Aerotel Transit Hotel, playground e salas de videogame para as crianças, Baby Care Room, área para reunião de famílias, Business Center, 800 pontos para recarga de celulares, acesso grátis a Internet, área para fumantes, área para quem trazia de casa seu lanchinho,  e um jardim de 330 metros quadrados, com mais de mil borboletas nativas da região.

Era destaque nas ligações para a Austrália, sendo um importante local da Rota do Canguru, que ligava a Austrália à Europa, via Singapura. O Aeroporto era o principal hub da companhia Singapore Airlines, que estava entre as melhores companhias aéreas do mundo, e que também fora a primeira a operar o Airbus A-380. Desde sua inauguração, em 1981, Changi já ganhara 440 prêmios relacionados com a qualidade dos serviços prestados. Atualmente dispunha de 4 Terminais, e o quinto Terminal já estava em construção. A qualidade dos serviços e a segurança, chamavam a atenção dos visitantes. Um serviço cortesia de Monorail, interligava os Terminais.

Atrações dos Terminais

Terminal 1 : Cactus Garden aberto 24h. e Piscina com Jacuzzi, das 6.00 às 12.00h.

Terminal 2 : Jardim Encantado e Jardim das Orquideas, funcionando 24 h.

Terminal 3 : Jardim das Borboletas e um Escorregador para crianças, que funciona até às 22.30h. 

Quando passar por lá, vá ao stand Singapore Visitors Center, próximo ao desembarque e pegue folhetos com orientações sobre a cidade e descontos para algumas atrações principais, como a Singapore Flyer. ​Alguns hotéis ofereciam transfer gratuito do Aeroporto. Poderia escolher entre o Metrô, táxi, shuttle ou ônibus. Ao optar por um táxi, peça para ir ao centro pela Rota ECP  - East Coast Park Expressway -  invés de seguir pela rota P.I.E  - Pan Island Expressway - por ser um caminho mais interessante e bonito.

Free Singapura Tour - Em dezembro de 2017, estava em funcionamento no segundo andar dos terminais 1 e 2 o balcão do Free Singapura Tour, órgão do Governo, que concedia visitação gratuita da cidade, exclusivamente para passageiros em transito, que tivessem espera de 5 horas ou mais.

Vistos e Vacinas

​Para brasileiros ou cidadão de qualquer país da América Latina, Portugal ou Espanha, não havia necessidade de Visto, para fazer turismo em Singapura. Mesmo não havendo a necessidade do Visto, para poder entrar como turista e obter um Passe de Visita Social com validade de 14 a 30 dias ou prorrogável por até 3 meses. As autoridades  exigem:

  • Passaporte, com no mínimo 6 meses de validade;

  • Prova de que tinha dinheiro suficiente para permanecer em Singapura. Cartão de débito/crédito era importante;

  • Passagem de volta ou que comprove seu prosseguimento de viagem a outro país;

  • Certificado Internacional de Vacina contra Febre Amarela para aqueles que nos seis dias anteriores a viagem a Singapura estiveram em um país no qual a febre amarela fora considerada doença endêmica ( Brasil, Argentina, Bolívia, Colômbia, Equador, Panamá, Paraguai, Peru e Venezuela ).

Para permanência de até 30 dias não era necessário Visto, mas era  exigido Passaporte com validade mínima de 6 meses e a Vacina contra a febre amarela, que deveria ser aplicada no mínimo, dez dias antes da viagem sendo obrigatório a apresentação do Certificado Internacional de Vacinação. 

Gorjetas e taxas

Por aqui não era hábito dar gorjetas, para prestadores de serviços. Era provável que na conta do restaurante, já viesse adicionado um valor a título de serviço. Se isto não ocorresse, decida se quer ou não deixar uma gorjeta. Na hora de adquirir produtos ou serviços, preste atenção sobre  a existência de dois impostos:

A Service Charge, ou taxa de serviço - 10%.

A Goods and Services Tax (GST), ou taxa de bens e serviços17,7%.

  

Os preços apresentados dos produtos e serviços, na grande maioria das lojas, Supermercados e atrações turísticas, já incluiam esses valores. Em alguns locais, eles colocam o termo Nett após o preço, para confirmar que os tributos já estavam incluídos. ​Nos hotéis e restaurantes de alto luxo, a cultura da gorjeta trazida pelos turistas de alguns países, de vez em quando aparecia, mas ficava ao seu critério deixar ou não a gorjeta e não era uma obrigação implícita. Nos hawker center ou nos foods court, nunca se deixava gorjeta e também nos taxis. ​Ao reservar o hotel procure saber se o preço cobrado já incluia ou não os 17,7%, a título de taxa de serviço e GST. Se não incluía, seriam cobradas no próprio hotel. Havia um programa de devolução de parte dos impostos sobre bens e serviços (GST) pagos pelos turistas, ao adquirir bens que seriam levados para casa. Informe-se no hotel ou nos Serviços de Turismo.

Prédios Históricos

Clifford Pier - 

Inaugurado em 1933 foi por muito tempo a porta de entrada marítima de Singapura e servia como porta de entrada de imigrantes que chegavam trabalhar e começar uma nova vida. Com o fechamento da baia com a construção da Marina Barrage, o Píer foi desativado e hoje abrigava lojas e restaurantes.

Customs House - 

Inaugurado em 1960 abrigara a antiga Policia alfandegária. Atualmente reunia restaurantes;

Fullerton Waterboat House - Construída em 1919, fornecia água fresca para as embarcações ali ancoradas. Hoje abrigava pequenos restaurantes em estilo bistrô.

The Fullerton Hotel -   Fullerton Square, 1 -

Instalado em um prédio neoclássico que abrigara a antiga Agência Central dos Correios e outras agências públicas até ser transformado em hotel de luxo em 2001.

Raffles Hotel

Era o melhor expoente da época colonial de Singapura. A grandiosidade de sua fachada só era comparável ao seu fascinante interior. Nos pátios havia bonitas fontes, luxuosas lojas de moda, bares e restaurantes.

Relíquia do Dente de Budha - Fica na South Bridge Road, 288 - 

Localizado no bairro de Chinatown, o Buddha Tooth Relic era um Templo e Museu budista construído em 2007. Apresentava uma coloração de vermelho intenso, abrigava exibições sobre o budismo e possuia um acervo bastante rico sobre a sua cultura. Tinha vários andares, uma decoração com muito dourado, espaço para meditação, para a realização de preces e um jardim no último andar, onde ficava uma roda para orações. Em um de seus andares, também existia uma estupa (monumento que guardava restos mortais) toda construída em ouro. Visitantes com roupas que mostrassem os braços e as pernas deveriam usar um pano para se cobrir. Era necessário retirar os sapatos em algumas salas do templo. A entrada era gratuita.

Mesquita Masjid Sultan 

Fora construída em 1824, para o Sultão Hussein Shah, o primeiro Sultão de Singapura, e contara com uma doação do fundador de Singapura, Sir Stamford Raffles, para a construção do primeiro prédio da Mesquita. Fora reformada em 1932 e  projetada nos moldes do atual prédio, por Denis Santry, da Swan & Maclaren, a empresa de arquitetura mais antiga de Singapura. Durante sua reconstrução, a North Bridge Road fora forçada a contornar a Mesquita, porque o prédio fora estendido  para além da area ocupada pela rua árabe. Era considerado monumento nacional desde 1975.

 

Seu salão principal comportava até 5.000 fiéis, e um dos maiores e mais incríveis estruturas religiosas da cidade. Quando visitar o  interior da Mesquita, observe a base da cúpula, formado a partir de inúmeros fundos de garrafas de vidro doados pelos fiéis muçulmanos mais pobres, durante a reconstrução. Na área em frente ao prédio ficava a Bussorah Mall, também conhecida como Bussorah Street, uma rua de pedestres cheia de Cafés, Pousadas e lojas de souvenirs. Ficava na Muscat Street,a área histórica de Kampong Giam e funcionava de segunda à domingo de 9.00 as 12.00 e das 14.00  as16.00h, e na sexta-feira das 14.30 as 16.00h.

    

As Instalações modernas

Esplanade - Theatres on the Bay

O Teatro Ópera Esplanade era um dos ícones da cidade. Quando fora inaugurado em 2002, com um custo de 600 milhões de dólares, marcava o antes e o depois da arquitetura de Singapura, até então excessivamente conservadora. Era composto de duas grandes salas: um teatro de 2.000 lugares e uma sala de concertos com 1.600 assentos. Abrigava vários estúdios menores, um teatro exterior e um centro comercial. Atualmente, era um dos centros artísticos mais respeitado do mundo.

The Fullerton - Era local que abrigava bares e restaurantes, com varandas voltadas para a baía. Era um dos points mais concorridos da cidade. O que não faltava por aqui era turistas.

The Fullerton Bay Hotel -  Collyer Quay, 80 -

Era um moderno hotel, de extremo luxo e bom gosto. Aproveite a conheça a Fullerton Heritage Gallery, um pequeno e interessante museu. E para quem estava circulando por Singapura, aproveite para dar uma espiada neste hotel que servira de hospedagem e base para o Gordinho sinistro, da Coréia do Norte, e seu staff, quando vieram a Singapura encontrar com o Presidente americano.

Park Royal Hotel - on Pickering

​Estava localizado perto do centro financeiro e comercial, reinterpretava e revigorava o conceito de prédios que preservavam o espaço verde, se transformando em um marco urbano expressivo para o país. Projetado pelo escritório WOHA Architects, o hotel possuia 15.000 m² de jardins suspensos e temáticos, estruturados em terraços escalonados que se confundiam com um parque tropical. O plano atendia com maestria à necessidade de criação de prédios verdes, completamente voltados para um modelo agro urbano. Sua arquitetura era fundamentalmente orgânica, enquanto sua geometria fluida exibia certo grau de complexidade. Camadas  onduladas de concreto pré-moldado entrelaçavam os espaços públicos e o estacionamento, com destaque para o amplo porte- cochère, que parecia ter sido esculpido com o material. Logo na entrada, um imponente lobby envidraçado proporcionava contraste com a vegetação. O verde floresciaem todo o complexo, e as árvores e jardins pareciam fundir-se com a vista de um parque  adjacente.

Os jardins suspensos, cobertos por plantas tropicais, palmeiras e outras diferentes espécies, foram nivelados nos andares que abrigavam os quartos de hóspedes, ganhando a função de telhados verdes. Estes telhados eram responsáveis por proporcionarem sombreamento e manutenção da temperatura interna dos quartos, mais constante e confortável. O consumo energético do  prédio fora reduzido ainda mais, devido à especificação de vidros com baixa emissão de calor. Mesmo para quem não se hospedasser no Park Royal, valeria a visita ao prédio, para complementar a grandiosidade dos empreendimentos arquitetônicos que permeavam pela cidade. Aqui a modernidade e a beleza se superaram... não deixe de visitá-lo!

Mustafa Centre

Era uma grande loja de departamentos que vendia de tudo, desde produtos indianos clássicos, passando por produtos de higiene pessoal, farmácia oriental, eletrodomésticos, eletro eletrônicos, roupas esportivas, sapatos, jóias em ouro e até produtos dignos de um Supermercado. Em um ambiente mais simples, com corredores estreitos, balcões e prateleiras cheias de produtos, a loja vivia cheia. Oferecia bons preços e ficava aberta 24 horas. Ótimo lugar para comprar produtos indianos, malaios, tailandeses e indonésios. Endereço: 145 Syed Alwi Road - Acesso: Estação Farrer Park.

Orchard  

A Orchard Road, e a região em seu entorno, era uma opção de hospedagem perfeita para quem quizesse estar perto do coração das compras. Para acessar as demais regiões de interesse turístico, use o transporte público. O Metrô cortava a Orchard Road e levava rapidamente às principais atrações. Era uma região muito e movimentada até o horário de fechamento dos principais Shoppings da região. Com o passar dos anos, as poucas opções econômicas que existiam na região, que tinham como destaque o Hotel Escola Sha Villa, foram desaparecendo. Agora era região de hotéis de 4 ou 5 estrelas, com destaque para o elegante e tradicional Hotel  Shangri-la. Se andar por lá ao final da tarde, seria surpreendido com o festival de gorgeios dos pássaros que ocupavam suas  enormes árvores ao longo da avenida principal.O nome da rua vinha de uma plantação de orquídeas que havia no lugar, até o início do século XX. Devido a diversos desastres naturais, as plantações desapareceram em menos de um ano. Fora em 1970 quando prédios de cristal como Plaza Singapur e o Hotel Mandarin lançaram as bases do que era hoje a Orchard Road.

Boat Quay

Ficava na margem sul do Rio Singapura e estava repleta de bares e restaurantes. A região tinha vistas para o rio era o lugar preferido dos estrangeiros que viviam na cidade, para jantar e tomar uma bebida. Nesta região estavam alguns dos melhores bares, pubs e restaurantes da cidade. Durante o século XIX, fora o centro financeiro de Singapura.

​  

   

Merlion Park

Bay Sands Hotel e Bay Sands Gardens

Mesquita Singapura.jpg.jpg
bottom of page