top of page

SANTA FÉ -  O Túnel Hernandárias e os 14 museus - Argentina 

SANTA FE.jpg

Catedral de Todos os Santos

Ponte Suspensa

 

As informações e recomendações inseridas neste texto, objetiva facilitar seu programa de viagem para visitar esta agradável cidade argentina. Escolha o que pretende conhecer e monte seu roteiro para melhor aproveitar sua passagem por aqui...

Cidade de Santa Fé


Estava localizada no centro-leste da Argentina, no coração da região denominada  El Litoral, no interior do país. A confluência dos rios Paraná e Salado, lhe conferia um clima de características mediterrâneas e uma rica paisagem, onde conviviam o agito urbano e a tranquilidade das ilhas. Enquanto capital da Província de Santa Fé, reunia as atividades políticas, governamentais e institucionais da região. Quem chegava proveniente do Brasil, o acesso era através do Túnel sub fluvial Hernandárias, que interligava a cidade de Paraná com Santa Fé.

Os rios Paraná, Salado, Carcarañá e Coronda, junto a importantes lagoas, constituiam seu principal atrativo natural. A pesca esportiva podia ser praticada ao longo dos mais de 700 km. de beira rio. Em Reconquista, a 350 km. de Santa Fé, realizava-se anualmente, o Concurso Argentino de Pesca do Surubim, o torneio de pesca esportiva mais importante do país. As barrancas do Rio Paraná, tinham uma frondosa vegetação e uma variada avi-fauna, composta por mais de 300 espécies de aves, ideal para praticar a observação fotográfica.

​A forte influência da agricultura na Província, convidava a se adentrar e conhecer os roteiros produtivos mais tradicionais, como por exemplo, o tambo. Também podia reviver a sua história e a forte marca, que deixara a cultura hispânica, em lugares como Cayastá, onde se conservavam as ruínas de Santa Fé - La Vieja, Monumento Histórico Nacional. As cidades de Santa Fé e Rosário, eram  dois centros urbanos de intenso movimento, ambas com população em torno de meio milhão de habitantes. Sua população em 2020, era estimada em torno de 3.365.500 habitantes.

Um pouco de história

Fundada em 1573 por Juan de Garay, vice-governador de Assunção, do Paraguai,  como Santa Fé de Vera Cruz, nas proximidades de Cayastá, fora transferida para o local atual em 1651, e desenvolvida como um porto fluvial de apoio para o assentamento espanhol em Assunção, a 990 km ao norte, pelo rio Paraguai. Durante a era colonial era um centro missionário dos Jesuítas, cuja igreja datava de 1660. Até meados do século XIX marcava o limite norte da expansão provincial e servia como um posto avançado estratégico contra os índios da região do Grande Chaco. Um congresso reunido aqui em 1853 elaborara a Constituição que estabelecera a República Argentina.

 

A economia de Santa Fé era diversificada e incluia moinhos de farinha, laticínios, fábricas de processamento de produtos florestais, fundições de minerais e fabricas de automóveis. Seu porto, modernizado para receber navios oceânicos, era um dos portos marítimos mais interiorizados do mundo (a cerca de 400 quilômetros do estuário do Rio da Prata e administrava o comércio da Bolívia e do Paraguai, bem como da Argentina. Santa Fé tinha três monumentos históricos nacionais - a Igreja e Convento de São Francisco (1680), a Igreja La Merced (1660–1754) e a Catedral de Santa Fé (1685). Aí ficava a Universidade Nacional do Litoral (1919). 

 

 

 

As atrações históricas e turísticas 

Basílica de Nossa Senhora de Guadalupe – Calle Javier de La Rosa, 623 -

Era uma monumental igreja católica romana, também conhecida como Basílica de Guadalupe, que começara a ser construída como Basílica menor por Dom Juan Agustín Boneo, então Bispo de Santa Fé. Era um ponto de referência para quem morava em Santa Fé e uma atração turística por sua história e valor espiritual, além de ser reconhecida pelas romarias e feiras que aconteciam anualmente 15 dias após a Páscoa.

Catedral Metropolitana da Vera Cruz  - Avenida General López, 2672 -

No final do século XVII, a cidade foi transferida de Cayastá, para seu local atual e a Catedral foi um dos primeiros prédios  construídos e colocado em frente a praça principal. A primeira igreja foi construída em 1661, mas teve que ser demolida anos mais tarde, devido a falhas de construção. Entre 1747 e 1751, começaram a erguer a igreja atual, com três naves, com teto de cana, paredes de adobe press, colunas de 1,5 metros de espessura e a Torre do Sino. Após a independência da Espanha, as fachadas de muitos prédios públicos foram modificadas para excluir o estilo colonial espanhol, e sua fachada foi alterada para o estilo neoclássico italiano. O acesso ao Átrio era por três arcos semicirculares, sendo o do meio o de maior tamanho. Os arcos eram coroados por uma empena triangular, e complementados por duas torres capulinas, cobertas com azulejos Pas de Calais. O destaque era o Vera Cruz, esculpido em madeira, que era considerado  monumento histórico nacional, desde 1942.

 

Estádio Brigadeiro General Estanislao Lopez - Avenida Juan José Paso, 3535 -

O povo argentino em geral era fanático por futebol e a cidade não poderia deixar de apresentar seu estádio para a prática do soccer. Era aqui neste estádio que o time local, o Colón de Santa Fé recebia seus adversários.

Granja  La  Esmeralda  -

Era dos melhores Zoológicos da região, este pitoresco parque animal ao norte da cidade era conhecido por sua vegetação exuberante e uma coleção inspiradora de espécies nativas da Argentina e exóticas originárias da Amazônia. Os passeios pelos recintos e jardins botânicos eram muito populares entre as famílias.

Igreja  e   Convento de São Francisco – Calle Amenábar, 2557 -

Estava situado no coração do bairro histórico sul, o Convento exibia uma impressionante coleção de arte sacra e artefatos religiosos que datavam do século XVII. O prédio era digno de uma visita, assim como a vasta praça adjacente que abrigava dois outros museus.

Parque Arqueológico  –  Cayastá -

Os aficionados por história apreciarão este importante sítio arqueológico que foi o lar da cidade original de Santa Fé, até ser realocado cerca de 50 km ao sul na década de 1660. Construções originais, como igrejas, praças, a Prefeitura e um conjunto de residências grandiosas, estavam em exibição para dar aos visitantes uma visão de como as pessoas viviam durante os primeiros tempos da colonização espanhola.

Ponte Suspensa -

Era considerado um marco local, esta ponte de cabos de aço de 330 metros (1080 pés) conectava a parte antiga com os subúrbios ao leste. Junto com uma série de calçadas próximas à beira-mar, era um ótimo lugar para passear à tarde, circular de bicicleta de registrar imagens.

Os Museus

A cidade contava com vários museus públicos e privados, proporcionando ao visitante uma oportunidades para melhor conhecer sobre o patrimônio artístico e cultural regional e nacional.

Centro Experimental da Cor  - Boulevard Gálvez, 1150  -  Estación Belgrano - Ala Oeste. -

Abria de segundas a sextas-feiras  de 8.00 a 12.00h  e de 16.00 a 20.00h e aos sábados e domingos de 17.00  as 20.00h;

 

​Museu da Cidade Calle Balcarce, 1635 - 

Abria de segundas a sextas de 9.00 a 12.00h e de 16.00 a 19.00h.  Aos sábados de 9.00 a 13.00h  e das 17.00 as 20.00h. Aos domingos, das 18.00 as 21.00 horas;

Museu da Constituição Nacional – Calle 1º de Mayo com Av. da Constitucion -

O Parque da Constituição Nacional, que incluía em sua extensão o Parque, o Museu e a Biblioteca da Constituição começara em 2009, a partir de uma transferência de uma propriedade de 17 hectares localizada às margens do Rio Santa Fé. A idéia surgira como uma homenagem ao texto Constitucional, pois Santa Fé fora sede do Congresso Geral Constituinte de 1853, e das Convenções reformadoras da Constituição de 1860, 1866, 1957 e 1994. A Província foi signatária de todos os pactos pré-existentes, desde o Tratado de Pilar até o Acordo de San Nicolás, de 1852, que convocava o Congresso Geral Constituinte. Instalado em uma construção de mais de dois mil metros quadrados de superfície coberta, o objetivo do museu era resgatar o valor do direito, o caminho do direito, na história universal e na história argentina.

O visitante acessaria uma primeira sala, denominada a da Lei,  poderia ver uma réplica do Código de Hammurabi, que fora o Rei da Babilônia. Havia também uma reprodução da Constituição de Atenas e do Corpus Iuris Civilis, do Imperador Justiniano. Também reunia textos mais modernos como a Magna Carta Libertarum Inglesa, de 1215, as leis e Ordenações Espanholas, do século XVI, a Declaração dos Direitos do Homem e do Cidadão, na Revolução Francesa. Também se poderia ver réplicas da Constituição dos Estados Unidos e do México, a Assembléia do Ano XIII - a primeira tentativa constitucional Argentina - e a Carta das Nações Unidas, que consagrara os Direitos Humanos Universais, em 1948. A esta sala seguia-se uma sala dedicada exclusivamente à Argentina, na qual  expunham Unitários e Federados, com uma representação de seis caudilhos de ambos os lados frente a frente e de costas. Abria diariamente das 10.30 até as 17.00h.

Museu de Arte Comtemporânea - UNL - Boulevard Gálvez, 1578 –  Email: www.unl.edu.ar/mac;

Museu Ferroviário Regional - Calle San Luis, 2900 -  

Abria as quintas e sábados de 9.00 a 12.00h e sextas-feiras das 17.00 a 19.00h - Email:museoferregsf@yahoo.com.ar 

Museu do Espaço e Observartóruio Astronômico - ​​CODE -  Avenida. Almirante  Brown, 4998 -

Abria de segundas  a domingos e feriados de 19.00 a 23.00h. - sites.google.com/site/obscode/;

Museu do Médico  -  Calle 9 de Julio 2464 -  Abria de segundas a sextas-feiras de 8.00 as 13.00h -  E-mail: infomed@cmsf.org.ar;

​Museu do Porto  - Ficava no Dique I Puerto de Santa Fe -- 

Abria para visitas de segundas a sextas-feiras das 10.00  as 14.00;

Museu do Teatro -  Calle San Martín, 2029 -

Abria de terças a sábados de 8.00 as até as 21.00 horas. Tinha capacidade para receber até 800 pessoas;

Museu Etnográfico e Colonial Juan de Garay - Calle 25 de Mayo 1470 -

Abrigava exposições de artefatos indígenas e painéis que explicavam a história da cidade. Promovia uma volta ao passado pré-hispânico e fronteiriço e um improviso arqueológico, etnográfico, do povo e material autêntico que estruturava seu amplo legado. Abrigava material arqueológico dos restos de Santa Fe la Vieja e diferentes lugares e lojas da região e mantinha um registro narrativo de documentos comuns e escrituras abertas dos séculos XVII a XIX e uma biblioteca específica Dr. Agustín Zapata Gollán. Entre as peças de estima social expostas na sala de exposições, estavam a produção indígena de faiança dos cachos plásticos ribeirinhos e entre eles uma figura Zomórfica de Yaguareté.

​Museu Histórico Provincial Brigadeiro E.Lopez - Calle San Martín, 1490  -

Abria de terças a sextas-feiras de 8.30 a 12.00h e das 14.00 as 19.00h. Nos fins de semana e feriados abria das 16.00  as 19.00h;

Museu Malvinas Santa Fé   - Calle Pedro Vittori, 4282 - 

Abria de segundas a sextas de 8.00 as 12.00h  e das 16.30 as 20.00h;

Museu Municipal de Artes Visuais Calle San Martín, 2068 -

Abria de segundas a sextas: de 8.00 a 12.30h e de 16.00 a 20.00h – Aos sábado de 9.30 a 12.30h e de 17.00  as 20.00h;

Museu Provincial de Belas Artes Rosa Galisteo de Rodrigues -  Calle 4 de Enero, 1510 

Abria as quartas/quintas e sextas das 9.00 as 13.00h e de 15.00 a 19.00h. Aos sábados, domingos e feriados, abria de 15.00 as 19.00h.

Museu Rosa Galisteo de Rodriguez – Calle Quatro de Janeiro, 1510 - 

Os entusiastas da arte devem visitar este Museu de belas artes com o nome carinhoso da mãe de seu fundador, em 1918. Situado em um  charmoso prédio com vista para um parque, abrigava cerca de 2.500 obras de autores contemporâneos argentinos arte.

Onde dormir

 

A cidade dispunha de mais de 20 ofertas de hospedagem e selecionamos os que visitamos.

Gran Hotel España – $$$ - Calle 25 de Mayo, 2647

reservas@lineaverdedehoteles.com.ar

Hotel Bertaina – $$$ - Calle Hipólito Irigoyen, 2255

Era localizado na área central da cidade e oferecia estacionamento e Wi-Fi. www.hotelbertaina.com.ar

Hotel Conquistador – $$$$ -Centro Fica próximo da Rua de Pedestres San Martin -

Situado na zona comercial e financeira, estava localizado a 600 m. do Shopping La Ribera e do Cassino.

​Hotel Puerto Amarras - $$$ -  Calle 1º de Enero, 27 - Dique II  - Puerto de Santa Fé.

Estava situado em frente ao rio, e a poucas quadras da rua principal, e em frente ao Shopping La Ribera e  ao Cassino. www.hotelpuertoamarras.com.ar

Hotel Rio Grande - $$$$ - Calle San Gerônimo, 2580 -

Estava localizado na rua de pedestres onde ficava a Igreja da Basílica da Virgem del Carmen, oferecia acomodações com Wi-Fi gratuito, restaurante no local, que servia pratos mediterrâneos. Os quartos eram espaçosos, com ar-condicionado, TV de tela plana, cofre e banheiro com secador de cabelo.

​​Onde comer

A Fuego – Boulevard Galvez, 1886 – esquina Marcial Candiotti –

Especializado em pratos argentinos e sul-americanos e em especial os pescados do Rio da Prata. Excelente o atendimento da dupla Alejandro e Florencia.

Ágora – Calle Santiago del Estero, 3102 -  

Abria de segundas a domingos das 8.30 a 16.00h e das 18.00 a 01.00h;

 

Assador Costanera – Calle Javier de la Rosa, 101 -

Abria de quartas a sábados de 20.30 a 23.30h  e  aos domingos das 12.00 a 15.00h.

 

Cervejaria Santa Fé – Calle Calcines, 1400 –

Era um ótimo lugar para ir com os amigos ou familiares. A cerveja vinha direto da fábrica pelo cervejoduto e a tábua de frios era enorme e servia facilmente para umas seis pessoas. Preços normais e atendimento muito bom.

1980 Costa Este - Costanera Este -

Abria de terças a domingos das 17.00 as 24.00h. 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Túnel sub-fluvial Hernandárias

 

 

 

 

 

 

 

bottom of page