top of page

LONDRES - Inglaterra  -  parte 3/4

GREENWICH 3.jpg

Antigo Colegio Naval Real  - Greenwich -

O local já abrigara um palácio no século XV, e um hospital, cujas atividades foram encerradas em 1869. Entre 1873 e 1998, sediava o Colégio Naval Real de Greenwich. Entre os destaques estavam o Painted Hall, um salão com pinturas belíssimas e uma charmosa capela. A entrada era gratuita. Endereço: King William Walk, Greenwich E10 9NN.

A primeira loja mundial - Endereço: 25 Nelson Road.

Em Nauticalia, no caminho entre a Estação do DLR (trem de superfície) para o Greenwich Park, estava a primeira loja do mundo. Não era porque ela fosse a loja mais antiga do mundo, mas porque era a primeira que abrira a oeste da linha imaginária do Meridiano de Greenwich. Independente de ser a primeira loja do mundo ou não, era recheada de itens com temas náuticos, que faziam a alegria de colecionadores e de quem apreciava motivos marinhos. 

Arena 02  - Peninsula Square -  

Era uma arena multiuso, coberta e inaugurada em 2007, com capacidade para 20 mil pessoas, onde abrigava os mais variados eventos da cidade. Passaram pela Arena O2 grandes nomes da música como: Iron Maiden, Led Zeppelin, Ozzy Osborune, Lady Gaga, Muse, Britney Spears, Beyoncé, Guns N’Roses, Celine Dion, Rihanna, Madonna, Pink Floyd, Spice Girls, Miley Cyrus, Jessie J, Kylie Minogue, Katy Perry, entre outros. A arquitetura da Arena O2 era bem característica e moderna.  Era conhecida também como Domo do Milenio.

Bairro de Greenwich

Greenwich era notável por sua história marítima, e por emprestar o seu nome ao mundialmente conhecido Meridiano de Greenwich. O local ficara famoso devido à construção do Palácio de Placentia, em 1428, onde nasceram três reis/rainhas da Inglaterra: Henrique VIII, Maria I e Elizabeth I. O palácio caira em desuso durante a Guerra Civil Inglesa (1642–1651), e fora reconstruído como o Hospital Naval Real, para Marinheiros, por Sir Christopher Wren e seu assistente, Nicholas Hawksmoor. A partir do século XVII, o local abrigava o The Old Royal Naval College. Ao longo do século XVIII, Greenwich tornara-se um bairro cada vez mais habitado e vários casarões foram construídos na região. 

Complexo marítimo

Era formado por um conjunto de prédios, que eram um símbolo arquitetônico inglês, demonstrando todo esforço institucional de caráter artístico e científico, entre os séculos XVII e XIX. Era Patrimônio Mundial da UNESCO e incluia:

 

Greenwich Park

Um dos parques mais emblemáticos de Londres, era considerado o mais histórico de todos os Parques Reais. Eram 74 hectares de áreas verdes amplas e convidativas para um piquenique. Sempre movimentado, o local ainda abrigava diversos tipos de atividades culturais e de lazer.

Observatório Real de Greenwich -   Blackheath Avenue - Greenwich Park -

Era o famoso Observatório pelo qual passava o Meridiano de Greenwich, que marcava a longitude 0º00′, dividindo o mundo em Ocidente e Oriente. Comprando o ingresso, poderia, além de tirar uma foto na linha imaginária, que cortava o planeta em duas partes, conhecer um pouco mais sobre os motivos de Greenwich ter sido escolhido para esta referência.

Uma curiosidade, era uma bola vermelha instalada no alto de uma das casas. Construída em 1833, a bola vermelha ficvaa em cima do topo da Flamsteed House, o prédio mais importante do Observatório. Ela era um dos primeiros medidores de tempo (relógio) já construídos. A intenção de sua construção, fora auxiliar na sinalização das embarcações que cruzavam o Rio Tâmisa. Desde 1833 até os dias de hoje, diariamente, a bola começava se deslocar e, em torno de 12.55h, estava na metade do mastro. Às 12.58h, ela atingia o topo e, pontualmente, às 13.00h, descia até o final. 

Para tirar uma foto com a linha do Meridiano e as marcações, era preciso pagar para fazer a visita. No entanto, na área de fora do Observatório, havia também a marcação desta linha imaginária e era possível registrar uma foto, mesmo sem precisar acessar a área interna. Além das exposições que mostravam os motivos de Greenwich ter se tornado tão importante para o mundo, fazia parte do Observatório Real um Centro de Astronomia e um Planetário, chamado Peter Harrison Planetarium, com apresentações frequentes A entrada era paga (Observatório: £9.50 / Observatório + Planetário: £12.50 / Combo Observatório + Cutty Sark: £18.50). 

Casa das Rainhas - Romney Road -

Neste museu, era possível apreciar a arte, a arquitetura e a herança Real, através deste esplêndido prédio do século XVII, que fora o primeiro prédio clássico na Inglaterra, projetado pelo arquiteto Inigo Jones. O museu era famoso por sua extaordinária coleção de arte, incluindo obras de grandes mestres como Gainsborough, Hogarth e van de Veldes. O museu passou por uma longa reforma. Sua Majestade a Rainha, tinha nada menos do que cinco opções de moradia: 

 

Castelo de Balmoral

Era a segunda casa escocesa da Família Real e também a mais visitada por ela no país. Fora comprado em 1852 pela Rainha Victoria e pelo Príncipe Albert. Era onde a Rainha Elizabeth II costumava passar o verão, ficando praticamente os meses de agosto e setembro inteiros;

Castelo de Windsor

Era a segunda residência Real mais frequentada pela Rainha. Elizabeth II, que costumava passar os finais de semana por aqui e também cerca de um mês, na época da Páscoa. O local também era destino para compromissos oficiais ao longo do ano;

Palácio de Buckingham

A grande atração londrina era a residência da Rainha Elizabeth II, e também funcionava como um ponto administrativo, sendo onde ela exercia seu home office. Era  aqui que ela morava com seu marido, o Príncipe Philips, e onde passava a maior parte do seu tempo;

Palácio de Holyroodhouse

Na Escócia, o Palácio de Holyroodhouse era a residência oficial da Rainha e era onde ela passa a Holyrood Week,  semana que celebrava a cultura e a comunidade escocesa, com grandes eventos;

Sandringham House

Essa  era o destino de fim de ano da Monarca. Localizado em Norfolk, O Palácio de Sandringham era onde a Rainha Elizabeth II passava o Natal, o Ano Novo e costumava ficar até o mês de fevereiro.

Castelo Severndroog -  Castle Wood - 

Começado em 1784, fora construído para celebrar o Comodoro Sir William James, que em abril de 1755, atacara e destruira a Fortaleza na ilha de Suvarnadurg, do Império Maratha (1674-1818), na costa ocidental da Índia, entre as cidades de Mumbai e Goa. Sir James morreu em 178,3 e o Castelo fora construído a pedido da viúva, para ser um Memorial. Entrada: pagava-se (£3). Abria a visitação de novembro a março aos domingos de 10.30 as 15.30h  e de de abril a outubro, aos domingos, de 10.30 as 16.30h.

Cervejaria Mean Time Brewing  - Lawrence Trading Estate, Blackwall Line - 

O bairro de Greenwich contava com uma Cervejaria artesanal de qualidade, que poderia ser visitada através de tours e degustações. Os tours pela Cervejaria, estavam disponíveis a partir de £18.00 por pessoa. 

Cutty Sark  - King William Walk -

Era um museu diferente. Era a lembrança de um lendário veleiro do século XIX, que fora de extrema importância na história inglesa, inclusive para o transporte de chá. Em suas exposições internas havia, inclusive, a questão da Guerra do Ópio. No entanto, o veleiro não estava  na água. Para uma circulação completa dos visitantes, ele fora suspenso a mais de 3 metros, através de uma estrutura. Por sua fama e importância, merecera até um uisque com seu nome. Entrada: pagava-se (£13.50 / combo com o Observatório Real :£18.50). 

Experiência Emirates de Aviação - Edmund Halley Way -

Era um museu voltado para quem curtia aviação, criado sob patrocínio da companhia aérea dos Emirados Árabes Unidos. Além de conhecer mais detalhes internos dos aviões, havia áreas interativas, onde se poderia incluir teste em simuladores de vôo. A entrada custava a partir de £5.00). 

Mercado - 5b Greenwich Market - 

Era considerado como um dos melhores mercados cobertos da cidade. Era propriedade de Greenwich Hospital, e fornecia suporte de caridade para membros da Marinha Real e seus dependentes. Estava rodeado por lojas independentes, antiquários e boutiques. Aproveite para saborear uma das grande variedade de comidinhas e as opções variadas de gastro pubs, restaurantes, Cafés e Vinerias.

O Cristal  - Siemens Brothers Way, 1.

Era um dos prédios mais sustentáveis do mundo, abrigando a maior exposição do planeta sobre o futuro das cidades. O local era administrado pela empresa Siemens, e fora aberto em 2012, como um centro global para o debate sobre a vida e o desenvolvimento sustentável. Aproximadamente 100 mil pessoas visitavam o local todos os anos, admirando sua exposição interativa ou participando de reuniões e eventos.

Teleférico Emirates Air Lines  - Western Gateway, 27  - Emirates Royal Dock -

Uma forma diferente de atravessar o Rio Tâmisa pelo ar, era através deste teleférico. As entradas/saídas do teleférico eram:

  • Emirates Royal Docks: próxima da Estação Royal Victoria do DLR (trem de superfície);

  • Emirates Greenwich Península: próxima da Estação North Greenwich (Jubilee Line do Metrô).

 

O passeio era pago (entrada padrão custava £5.00 / The Emirates Air Line Discovery Experience: custava £10.50 /, era mais barato pagar com Oyster Card: £ 4.00 e £8.00 respectivamente.

Parque Ecológico da Península - The Ecology Park Gatehouse John Harrison Way - Olympian Way -

Para quem curtia natureza, esse Parque de Greenwich era uma excelente indicação. Inaugurado em 2002, era o lar de uma fascinante variedade de vida selvagem e uma biodiversidade que surpreendia os visitantes. Endereço: Thames Park, John Harrison Way.

Parque de Vida Animal Maryon Wilson -   Flamsteed Road - Charlton -

Era um espaço verde aberto, com animais variados (cabras, galinhas, patos, veados, ovelhas, porcos), que viviam em recintos seguros. O local era aberto 24 horas, todos os dias do ano. 

Como chegar a Greenwich

O bairro estava acessível pelos caminhos mais diversos. Para saber qual era a melhor opção, confira a localização da atração que pretendia visitar.

Pelo ar: Teleférico Emirates Air Line;

Por baixo d’água: Pela passarela de pedestres (Greenwich Foot Tunnel) que ficava em um túnel que passa por baixo do Rio Tâmisa;

De ônibus-barco: aproveite e faça um passeio de barco pelo Tâmisa;

Por trem de superfície (DLR): Estação Cutty Sark for Maritime Greenwich;

Pelo Metrô: Estação North Greenwich na Jubilee Line (cinza).

Kev Gardens  - Richmond - Surrey - TW9 3AB

Considerado patrimônio mundial pela UNESCO desde 2003, o The Royal Botanic Gardens, em Kew, era visita obrigatória para quem gostasse de jardins e plantas. Além da beleza natural, Kew Gardens – o Jardim Botânico Real se destacava quando o assunto era história e desenvolvimento do paisagismo e pesquisa científica da flora mundial. O acervo de plantas era dos maiores do mundo, contando com mais de 27 mil espécies, entre elas 14 mil árvores. O Jardim Botânico tinha também uma coleção de orquídeas que já celebrara 200 anos, em jardins e estufas que reproduziam vários habitats do mundo.

O ingresso custava a  partir de £12,50 adultos, £3,50 (crianças). Os ingressos poderiam ser comprados na loja do órgão de turismo da Grã Bretanha, o Visit Britain. 

Horário de funcionamento

Na primavera e no verão (final de março a início de setembro), Kew Gardens ficava aberto de 10.00 até as 18.30h durante a semana e 19.30 nos finais de semana. Permanecia aberto todos os dias do ano, exceto nos dias 24 e 25 de dezembro. Estação de Metrô mais próxima: Kew Gardens (District Line, sentido Richmond), na zona 3 de transporte.

Como chegar em Kew Gardens - 

A linha verde do Metrô (District line) levava o turista do centro de Londres à Estação Kew Gardens, em aproximadamente 30 minutos. Depois eram 10 minutos de caminhada até um dos portões, o Victoria Gate.

Como visitar Kew Gardens

Tours guiados: para saber mais sobre a história, a arquitetura e, obviamente, as plantas e jardins de Kew Gardens, faça um passeio guiado. Informações no local.

Kew Explorer - 

Era um trenzinho aberto, que percorria o parque, parando em 8 pontos. A passagem ( custava £5 para adultos, £2 para crianças ) era válida para o dia todo, num sistema hop-on hop-off, ou seja, desça na parada que quiser e poderia retomar o transporte, em qualquer ponto.

O que ver

Ocupando uma área de 121 hectares, Kew Gardens era muito bonito.  Além das construções e da paisagem exuberante presente em todo o parque, havia doze jardins formais espalhados, que foram especialmente projetados e plantados com temas diferentes.

Arboretum

Ocupava dois terços dos Jardins, e era composto de 14 mil árvores, de mais de 2 mil espécies, incluindo variedades raras e antigas. A coleção apresentava árvores tão antigas quanto o Jardim Botânico (século XVIII), e algumas que já não se encontravam em nenhum outro local do Reino Unido. A cada estação, ocorria a mudança nas cores e nos formatos das árvores, em um espetáculo maravilhoso que a natureza proporcionava.

Casa Alpina Davies

Projetada para recriar o frio, o vento e o ar seco do clima alpino, sem o uso de ar condicionado e bombas de vento, a estufa abrigava plantas adaptadas para suportar as condições climáticas severas dos pólos e dos topos das montanhas. Em exibição havia flores delicadas e coloridas.

Palm House e Rose Garden

Em uma belíssima estrutura de ferro e vidro, da era vitoriana, encontrava-se um clima tropical, com palmeiras de todos os cantos do mundo, inclusive o nosso babaçu! Atrás do Palm House, o Rose Garden fora originalmente projetado pelo paisagista inglês William Nesfield, em 1848.  Até os anos 1920, não havia rosas no local, mas desde então, 25 canteiros com 170 espécies diferentes da flores foram acrescidas ao jardim.

Conservatório Princesa do Wales 

Sob um único teto, foram recriadas dez zonas climáticas diferentes nesta estufa, inaugurada pela Princesa Diana, em 1987. Reunia plantas carnívoras e orquídeas em exposição, juntamente com representantes dos climas mais áridos do planeta. Uma curiosidade, era que em 1985 Sir David Attenborough, enterrou na fundação do Princess of Wales Conservatory, uma cápsula do tempo, contendo sementes de culturas alimentares básicas e algumas espécies ameaçadas. A cápsula deveria ser aberta em 2085, quando muitas das espécies estariam extintas ou seriam muito raras.

 

Casa Temperada

Era uma estufa gigante, com quase cinco mil metros quadrados, abrigava espécies da África, Austrália, Ásia, Nova Zelândia, e Pacífico. O prédio fora construído na metade do século XIX, com o objetivo de fornecer condições climáticas ideais para as diversas plantas trazidas ao Reino Unido, por cientistas e exploradores. Depois de cinco anos de renovação, fora reaberta ao público, em 2018. A Temperate House guardava diversas espécies de plantas que estava ameaçadas de extinção.

 

O Hive

Com 17 metros de altura,  era uma instalação que recriava a vida dentro de uma colmeia de abelhas. Mil luzes de LED brilhavam, de acordo com as vibrações das abelhas que habitavam Kew Gardens.

Xstrata Treetop Walkway

Era uma passarela suspensa, a 18 metros de altura, localizada no Arboretum, entre a Temperate House e o lago, proporcionava um passeio nas alturas, pelo topo das árvores. Projetada pelos mesmos arquitetos do London Eye era uma atração popular no Jardim Botânico.

 

GREENWICH.jpg
KEV GARDENS.jpg
LONDRES9.jpg
bottom of page