top of page

KUALA LUMPUR - Malásia - 2/2

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Templo Thean Hou -   Persiaran Endah, 65 - Taman Persiaran Desa -

Era um templo chinês, que ficava um pouco afastado do centro, localizado no alto do morro Robson Heights, ao longo da Lorong Bellamy, e com vista para Jalan Syed Putra (Rodovia Federal). Concluído em 1987, foi construído pela comunidade Hainanese que vivia em Kuala Lumpur. Sua construção era dedicada a Deusa Thean Hou ( mãe do céu ). Tinha arquitetura chinesa, com adornos coloridos e o tamanho da construção chamava a atenção dos visitantes. Era bastante procurado pela comunidade chinesa, para preces e celebração de casamentos, mas ao longo dos anos acabou se tornando também uma atração turística importante. Eram vários andares e tinha anexo um pequeno jardim chinês. O principal salão do Templo estava instalado no terceiro andar, um lugar colorido e com decoração impressionante, onde ficavam as estátuas das divindades e também onde as pessoas oravam, faziam  rituais, acendiam velas, cantavam e aliviavam o espírito. Como chegar: O melhor era pegar um taxi, saindo de Little India ou da Sentral Station. Para quem tivesse disposição, era usar o Monorail até a Estação Tun Sambanthan, de onde deveria atravessar o Viaduto e seguir caminhando até o templo.

Terminal Ferroviário - Centro

Conhecida como Stesen Sentral, era o maior centro integrado de transporte ferroviário de da Malásia, oferecendo conectividade global e ligando todas as áreas residenciais, comerciais e industriais urbanas e suburbanas. Era também uma ligação direta ao Aeroporto Internacional de Kuala Lumpur, Putrajaya (Centro Administrativo do Governo Federal), Cyberjaya e áreas-chave do Super Corredor Multimídia. Como endereço comercial internacional preferido, Kuala Lumpur Sentral ganhara impulso, com a população residente e visitante crescendo exponencialmente. Originalmente, esta cidade dentro da cidade auto-sustentável fora planejada em torno do maior centro de transportes da Malásia, Stesen Sentral, para incentivar o uso do transporte público. Atualmente, o total de estacionamentos era de 9.354, além disso, aproximadamente 3.000 3.000 estacionamentos estavam em obras.

 

Onde dormir

 

As melhores regiões para se hospedar eram: Bukit Bintang, Chinatown, Central Market,  KL Sentral e o Triângulo de Ouro. Bukit Bintang tem uma boa oferta de hotéis, dos simples aos mais caros. Era um bairro bom pra quem quizesse ficar perto do agito, com bastante movimento também à noite. Se quizer ficar em um ótimo hotel em Bukit Bintang sem pagar muito, sugerimos o Capitol Hotel, bem localizado, com quartos bons e um ótimo café da manhã.

Chinatown

Era a região preferida dos mochileiros, com bastante oferta de albergues e hotéis baratos, mas sem tanto movimento à noite. Para quem quiser uma opção mais econômica, opte por Chinatown. A KLCC era também uma área central, sendo mais arrumadinha e com opções de acomodação mais caras. Havia também a KL Sentral, onde também tinha uma boa oferta de hospedagem para todos os bolsos. Era daqui que partiam  os trens, metrôs e ônibus para todos os cantos da cidade.

Bukit Bintang - 

Esta área era a mais popular entre os residentes e turistas. Tinha shoppings, bares, restaurantes hotéis para todos os bolsos e uma noite bem movimentada. Era uma recomendação para sua próxima hospedagem.

Sentral Market -

Outro lugar também bom para se hospedar era na região do Mercado Central. Procure um hotel perto do Mercado, onde sempre tinha bom movimento, mesmo à noite. Localizado atrás do Mercado, estava o Pacific Express Hotel, que poderia ser uma boa escolha.

Triângulo de Ouro -

Era uma área da cidade que englobava alguns bairros, concentrava a parte mais comercial de cada um e as três principais avenidas: Jalan Imbi, Jalan Sultan Ismail e Jalan Raja Chulan, que formavam um triângulo que emprestava o nome para a região.

Alpha Genesis Hotel Bukit Bintang -$$$ -   Tenkat Tong Shin, 45 – Bukit Bintang -

Localizado no Triângulo Dourado, ficava a 15 minutos a pé do Shopping Center KLCC e da Rua Petaling, no bairro Chinatown. A estação do monotrilho Bukit Bintang e a rua de pedestres Bintang, estavam a uma caminhada de 5 minutos. Os quartos estavam equipados com TV a cabo e comodidades para fazer chá e café. Também incluiam cofre e frigobar. O Louis Café, funcionava durante 24 horas e servia lanches e bebidas diversas.  

Citin  Seacare Pudu by Compass Hospitality - $$$ -   Jalan Pudu, 38 - Bukit Bintang -

Situado em frente à Estação Rodoviária Puduraya, estava localizado a apenas 7 minutos a pé de lojas e opções gastronômicas dos bairros Bukit Bintang e Chinatown. Ficava a 5 minutos a pé do trem urbano Star LRT (Estação Rakyat Plaza). Os quartos tinham Wi Fi gratuito, ar-condicionado, mesinha auxiliar, frigobar, TV de tela plana,  cofre e comodidades para fazer chá e café. Servia um buffet no café da manhã com pratos locais e internacionais, e oferecia a possibilidade de saborear suas refeições no quarto.

Hotel 99 Chinatown Kuala Lumpur - $$$ -  Jalan Pudu,r44A - 44B - Bukit Bintang -

Situado em frente a Estação Rodoviária de Pude, estava a 5 minutos a pé da animada Chinatown, oferecia Recepção 24 horas e WiFi gratuito. Os quartos eram modernos e agradáveis, possuiam ar-condicionado e TV de tela plana via satélite com canais chineses e internacionais. Também incluiam chaleira elétrica e mesinha auxiliar. Os banheiros privativos, dispunham de chuveiro  e amenidades de banho de cortesia.

Pullmann Hotel - $$$ - Jalan Conlay -

Duas torres distintas abrigavam os 450 quartos e suítes que foram recentemente renovadas, oferecendo vistas deslumbrantes do horizonte da cidade. Estava a poucos passos da Estação de Monotrilho de Raja Chulan e em frente ao Shopping de luxo Pavilion Kuala Lumpur. 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Batu Cavernas 

Gastronomia

Os malaios desenvolveram um modelo culinário que combinava sabores chineses, indianos, e do Oriente Médio. Na cozinha malaia havia numerosas especiarias, como gengibre, açafrão da Índia, cúrcuma, cominho, pimentas e curry. A base dos pratos malaios era o arroz, preparado de diferentes formas: fervido com vapor, frito, cozido natural ou acompanhado de leite de coco, especiarias e ervas. Eram feitos na forma de pastéis de arroz ou de lemang (arroz viscoso cozido com carvão de madeira em um tubo de bambu vazio, acompanhado com folhas amarelas de bananeira). O arroz era servido com verdura, carne ou peixe. A cozinha nyonya procedia de uma mistura entre os primeiros imigrantes chineses e os malaios locais, no Estado de Malacca e de Penang. Combinavam os ingredientes chineses tradicionais com as especiarias malaias: pimenta guindilla, belacan (pasta fermentada de camarão), citronela e açafrão da Índia. Os pratos típicos eram o assam, curry, fishy o otak-otak (peixe cozido no vapor com leite de coco e pasta de guindilla envolto em folha de banana.

Onde comer 

 

Central Market -

O Mercado Central era um lugar para conhecer, comprar e comer bem! Tinha uma Praça de Alimentação, só com restaurantes malaio ou comida asiática. A comida ocidental não tinha oferta por aqui. Do lado de fora, a Kasturi Walk, tinha restaurantes e alguns fast food.

Jalan Alor -

Era uma das principais ruas do bairro de Bukit Bitang. Tinha várias várias barraquinhas com mesas na rua. Aquela que achar interessante, era só sentar e pedir o cardápio. Comida de rua pelo sudeste asiático era muito comum, e tanto os residentes quanto uma boa parte dos turistas encaravam essa ofertas gastronômicas em plena calçada e com o maior prazer.

Sushi King -

Este era o lugar para quem gostasse de sushi. Os peixes eram sempre frescos. Todas as tardes das 15.00 até as 18.00h promoviam um Happy Hour. Qualquer peça ficava com 20% de desconto. Era um jeito diferente de comer sushi, porque colocavam sobre uma esteira que passava por todas as mesas, e o cliente escolhia o prato que mais lhe agradasse. No final, o garçom contava os pratos e efetuava a cobrança.

KUALA LUMPUR 7.jpg
KUALA LUMPUR 10.jpg
KUALA LUMPUR 11.jpg
bottom of page