top of page

COPENHAGEN - Dinamarca - parte 2/2 

COPENHAGUE.2.jpg

       

Museu Thorvaldsens -  Bertel Thorvaldsens Plads, 2.

Era dedicado aos trabalhos de esculturas do famoso escultor dinamarquês Bertel Thorvaldsen (1770-1844), e à sua coleção pessoal de antiguidades. Thorvaldsen foi estudar em Roma, onde passou muitos anos, e sofreu grande influência da mitologia romana antiga. Ao retornar a Copenhaguen, precisava de um local específico para guardar suas obras. Com o apoio do Governo, inaugurou o museu em 1848, sendo o primeiro da Dinamarca.  A entrada custava 100 kr e era gratuita, para visitas nas quartas-feiras.

Rådhus  - Copenhagen City Hall -  Rådhuspladsen, 1.

Era o prédio da Prefeitura de Copenhaguen, construído entre o final do Século XIX e início do Século XX em estilo romântico.EraÉ muito bonito, tanto por fora quanto por dentro, e merecia uma visita! A entrada era gratuita, entretanto cobravam 50 kr para o tour guiado e 40 kr para o acesso a torre.

Rundetaarn –

Com  seus 36 metros de altura, esta torre redonda construída no século XVI, abrigava o Observatório Astronômico da Dinamarca e oferecia um ótima vista da parte antiga de Copenhagen. Atualmente, era possível subir até o topo da torre por uma rampa circular de 209 metros,  a caminho se passava por um pequeno piso de vidro, do qual se poderia ver a base da torre a uma altura de 25 metros.

Superkilen -  Nørrebrogade, 208.

Era um parque urbano situado em Nørrebro, um bairro  mais underground – para os padrões dinamarqueses. Era dividido em três áreas principais: The Red Square (vida urbana, café, música, esportes), The Black Market (fontes e bancos) e The Green Park (área verde para esportes, piqueniques e passeio com dogs).  A entrada era gratuita.

Tivoli Gardens –

Era um parque de diversões diferente, antigo e que até hoje mantinha a mesma aparência. A sensação era de que estaria num cenário de filme com tudo mágico e lindo à sua volta. Tinha um gramado enorme que convidava a um relax. Durante o verão aconteciam shows quase todos os dias. ​Construído em 1843, o Tivoli Gardens era um programa para toda a família, com brinquedos para crianças e para adultos, restaurantes, barraquinhas com comidas típicas, lojas e um trabalho paisagístico que chamava a atenção. Ficava aberto até às 23:00 e a recomendação era melhor visitá-lo à noite e ver algum dos shows ao ar livre e sua iluminação.

 

A entrada no Parque estava incluída no Copenhagen Card, mas os brinquedos requeriam ingressos comprados à parte. Se quiser passar mais tempo no Tívoli e usar vários  brinquedos, não compre os tickets individuais, prefira os passes que ofereciam entradas ilimitadas nos brinquedos ou o chamado all  inclusive, que, além dos brinquedos, inclui a entrada no Aquário, um jantar e outras regalias.

Torre Redonda -  Købmagergade, 52ª -

Era o mais antigo Observatório Astronômico em atividade na Europa, construída entre 1637 e 1642 pelo Rei Christian IV. Era possível visitar seu interior, onde havia um pequeno museu com exposições temporárias, e subir até o topo  para mais uma bela visão da cidade. A entrada custava 30 kr.

Zoológico -  Roskildevej, 32.

Considerado como um dos melhores do mundo, contava com mais de 3.000 animais de 264 espécies. Possuia áreas especiais reproduzindo florestas tropicais, e o Ártico, e um setor dedicado aos elefantes.  A entrada custava 200 kr.

       Onde dormir

Quando indicamos, sugerimos ou recomendamos algum meios de hospedagem,  não significa que estamos promovendo comercialmente um estabelecimento. Nossas informações se baseiam em experiências próprias, indicação  de amigos ou avaliação de hóspedes, divulgadas pelos sites de hospedagem, como o Booking ou TripAdvisor.  O melhor era ficar hospedado no centro, para facilitar os passeios que deveriam ser feitos à pé.

 

       Sugestões para hospedagem:

       Categoria  Econômica:

     

Observação

Na Estação Central, havia o  Kiosk P, onde se podia efetuar reservas de hotéis ou obter informações sobre hospedagem e turismo em geral. Boa parte das atrações de Copenhagen, estavam situadas numa mesma região, sendo possível visitá-las a pé. Para as atrações um pouco mais distantes, a cidade oferecia um excelente sistema de transporte público. Por isso, a dica era se hospedar próximo à Estação Central, de onde partiamos trens e ônibus para diversos pontos. Esta era uma região com melhor custo-benefício, já que hospedagem em Copenhagen costumava ser bem cara, e próxima às principais atrações, como o Tivoli Gardens e a Gliptoteca Ny Carlsberg, eram  ainda mais caras. Se preferir ficar fora do centro, sugerimos buscar hospedagem no bairro Norrebro.

       Algumas opções interessantes

Absalon Hotel - $$$$ - Helgolandsgade, 15 - Vesterbro -

Era um hotel de gerência familiar, situado no movimentado bairro de Vesterbro, a cerca de 5 minutos a pé da Estação Central e dos Jardins de Tivoli. Oferecia aluguel de bicicletas e um excelente buffet de café da manhã escandinavo. Os quartos eram ótimos e modernos e muito limpos.

 

AC Hotel by Marriott Bella Sky - $$$$$ - Center Boulevard, 5 - Amager Vest -

O excêntrico hotel Bella Sky, se destacava primeiramente, por suas duas grandes torres retorcidas. Os empregados diziam, que havia tantos móveis assinados lá dentro que ao mobiliário saiu mais caro que o prédio. Os vasos sanitários, por exemplo, eram criação de Phelippe Starck. O café da manhã era excelente e para todos os gostos: havia desde ingredientes orgânicos para o preparo de sua própria granola até embutidos incríveis e bacon à vontade. Estava localizado próximo ao Aeroporto e a um parque, onde havia cervos correndo, e a pedalada até o centro levava 15 minutos. É puro luxo!. 

Axel Guldsmeden - $$$$ - Colbjørnsensgade, 14 - Vesterbro - 

Situado no animado bairro de Vesterbro, era um hotel boutique no centro da cidade, que oferecia um Spa e quartos com decoração exclusiva, Wi-Fi gratuito e TVs de tela plana. O Parque Tívoli e a Estação Central de Copenhague, ficavam a cerca de 5 minutos a pé.

O que comer e onde

A capital dinamarquesa era cheia de cafés aconchegantes e alguns até requintados. A grande pedida eram os sanduíches abertos, servidos  em prato, e que valiam por uma refeição. O mais famoso, o Smorrebrod, era feito com pão preto, alface, tomate e como opção podia ser servido com frios, camarão ou peixes de água salgada ou doce; ou a frikadela, que era a carne de porco misturada com carne de vitela, uma das especialidades do país. Os sanduíches custavam em torno de Us$ 10,00.

Era hábito ir aos cafés para bater um papo, e tomar um snapp (schnap) uma tradicional bebida tipo aguardente (Aquavit ou Steinhäger). Alguns cafés mais badalados: O Banana Republic, na rua Norrebogade; o Europa, na Stroget; e o Kanal Cafeén, na Frederisholms Kanal, e os que ficavam na região do Nyhavn, o antigo porto, atualmente transformada numa zona boêmia. ​Um restaurante econômico, era o Nordland Restaurand - Vesterbrogade, 6, com bons preços e boas porções de comidas. O Café Sommerko - Kronprinsengade, 6  era um ótimo ambiente e o Latiner Caffe - Fiolstrasse, 1 - um ambiente espanhol e italiano, que ficava próximo do Stroget.

Uma refeição Frokotsplatter, que era uma refeição padrão para eles (dois pratos e um café), estava custando em torno de 10 dólares. Andando pela cidade, existiam carrocinhas que serviam bebidas e as tradicionais e excelentes salsichas. Eram servidas em pratinhos de alumínio, acompanhadas dos temperos de sua escolha. Para quem quizesse sentir a maravilhosa cozinha dinamarquesa, a pedida era ir ao restaurante Groften, que ficava dentro do Parque Tívoli. A bill, em geral ficava em torno de 35 dólares por pessoa.

Bar VINHANEM  - Baggesensgade, 13 -

A loja e bar de vinhos Vinhanen ou o Wine Faucet, em Nørrebro, serviam vinhos de qualidade a preços razoáveis. Desfrute de uma taça no bar ou leve uma garrafa para casa. O conceito era manter os preços baixos e o clima descontraído, ao mesmo tempo em que serviam um ótimo produto. Isso era obtido com a extração direta de grandes tanques de aço, uma maneira inovadora de servir vinhos. Dessa forma, os preços eram baixos o suficiente para competir com os Supermercados. Além do experimentar os vinhos, se podia degustar pratos menores no bar. Era de propriedade de uma brasileira que também atendia os clientes.

Restaurante Bror - Sankt Peders Stræde, 24A - 

O Noma, classificado como um dos melhores restaurantes do mundo, fechou em 2016, mas seu impacto nos restaurantes na  cidade, foi significativo. Reabriu a três anos atrás, em um novo local, junto as muralhas do porto. Muitos Chefs que trabalharam lá, abriram seus próprios restaurantes, incluindo dois que abriram o restaurante Bror, um espaço pequeno com grandes ambições - espere comida surpreendente preparada com os melhores produtos locais, sempre oferecendo pratos diferenciados e inovadores.

O que torna Bror (Irmão em dinamarquês) tão diferente, era o cardápio. Era simples e girava em torno de uma série de pratos incomuns, como bochecha de bacalhau, terrine de esperma de bacalhau ou testículos de boi fritos. Os pratos principais variavam e dependiam muito da época do ano, e do que os Chefs decidissem experimentar. Além do menu de comida, o restaurante também se orgulhava de servir as excelentes cervejas locais.

 

Os Principais Mercados

 

Copenhaguen reunia alguns dos melhores mercados de rua da Escandinávia, mercados para cada gosto. Alguns dos mais especializados, operavam apenas em determinadas datas, o que fazia com que escolher o caminho certo para visitar fosse ainda mais importante.

Distrito Meatpacking - Vesterbro

Era uma área da cidade no bairro de Vesterbro, com um Complexo ligado à indústria de carnes. Era um dos lugares mais populares da cidade para comer, beber e curtir a noite. Um dos bares mais famosos, era o  WarPigs, com cervejas artesanais e petiscos excelentes.

Loppemarkedet - Loppemarkedet, TAP1, 91  -  Ny Carlsberg Vej.Nørrebrogade

Acontecia no Tap 1, no distrito da Cervejaria Carlsberg, era um imponente e enorme mercado interno. O evento era uma das mais recentes adições à cena do Mercado de Pulgas, de Copenhaguen e,  tinha uma certa vibração energética que a separava da multidão. Com mais de 400 barracas e áreas separadas para roupas e mobiliário, era um mercado que atraia os caçadores de pechinchas. Sendo um evento de grande porte, os mercados eram realizados ao longo do ano, com cerca de dois ou três meses de intervalo. Os interessados ​​podiam encontrar as datas para a próxima extravagância de segunda mão na página do Facebook. Cobravam uma taxa de entrada.

Reffen – Copenhaguen Street Food -  Refshalevej, 167ª. - Paper Island

Era uma ótima opção aos apreciadores de comidas de rua. Foi inaugurado no final de maio de 2018, substituindo o antigo mercado, localizado na Paper Island (Papirøen). Ficava à beira do Canal, no lado oposto da estátua da Pequena Sereia, e em frente a ela. Em um dia de sol, era um lugar bem gostoso para saborear umas comidinhas diferentes e baixar umas cervejas.

 

Street Foods - Copenhaguen Food Markets, 14 – Trangravsvej.

Atravesse o canal do porto até a Amager e descubra onde serviam alguns dos melhores alimentos de rua do mundo, na Ilha de Papel de Copenhaguen. O nome da ilha, referia-se a uma antiga fábrica de processamento de celulose e onde o mercado de alimentos estava instalado. Esta área interna da fábrica, era enorme e abrigava uma serie de veículos de alimentos e barracas de comida diferentes. Havia também uma seleção significativa de bares e, se o tempo estiver bom, poderá sentar-se junto ao Píer adjacente e admirar o porto da cidade. A localização do mercado, apesar de um pouco fora do centro, era interessante, e se cansar de ouvir os shows de música ao vivo, poderá visitar o vizinho Museu de Ciências Experimentarium -  que ficava próximo.

Torvehallerne -  Frederiksborggade, 21. Centro.

​Era um mercado todo de vidro, instalado junto da estação de Nørreport, que vendia comidas típicas de vários lugares do mundo, com uma amostragem um pouco mais gourmet. Além das barraquinhas para comidas, encontravam-se barracas de peixes, azeites, vinhos, especiarias, hortaliças, chás, e muitas outras coisas típicas e interessantes.

Compras

Strøget

 

Era uma das ruas de pedestres mais longas da Europa, com 1,1 km de lojas de tudo que era tipo. Independentemente do seu orçamento, se gostasse de compras, deveria passar por aqui!

COPENHAGUE 3.jpg
bottom of page