top of page

CHIANG RAI -  Os templos azul, branco e negro -
Tailândia - 1/2

CHIANG RAI 6.jpg

Wat Phra That Doi Suthep

As informações e recomendações inseridas neste texto, objetiva facilitar seu programa de viagem para visitar esta histórica e incrível cidade tailandesa. Escolha o que pretende conhecer e monte seu roteiro para melhor aproveitar a passagem por aqui...

Chiang Rai fora fundada em 1262, pelo Rei Mengrai, tornando-se a primeira capital da então poderosa Dinastia Lanna. Tempos depois, em 1615, Chiang Rai fora conquistada pelos Burmeses, de Myanmar, que governaram a cidade até 1786, quando Chiang Rai fora anexada ao Reino de Sião, passando então a fazer parte da Tailandia. Era a cidade onde se localizava o mais belo templo tailandês. ​Apesar de restarem relativamente poucos vestígios arqueológicos de seu passado, a cidade tinha uma história bastante rica. Sua localização estratégica, perto da tríplice fronteira do Laos, Miyamar e Tailandia, fizera com que a cidade desde muito cedo se tornasse um centro comercial importante da bacia do Rio Mekong. ​Ao mesmo tempo, seu sucesso econômico e militar, despertara a cobiça dos vizinhos, o que fizera com que, ao longo de sua história, a cidade sofresse bastante com freqüentes invasões e guerras, especialmente entre a Tailândia e Myammar, que à época chamava-se Birmânia. Embora Chiang Rai sfosse 33 anos mais antiga, que Chiang Mai, sua proximidade com a fronteira e vulnerabilidade aos ataques inimigos, fizeram com que Chiang Rai perdesse o título de capital da Dinastia Lanna, muito antes da dominação Burma, quando Chiang Mai fora fundada, a cerca de 180 km ao sul de Chiang Rai.

Chiang Rai, então, se tornara subordinada à Chiang Mai. E essa era a principal razão que, não necessariamente, encontrassemos o esplendor arquitetônico que se encontrava em Chiang Mai, a principal cidade do norte da Tailândia. Em 1933, Chiang Rai fora proclamada uma Província da Tailândia. Porém o retorno aos tempos áureos, só aconteceram nas últimas décadas. Tanto que durante um longo período, durante o século XIX, a cidade fora mais ou menos abandonada, restando apenas algumas centenas de famílias, que moravam dentro das ruínas das antigas muralhas da cidade. A prosperidade retornara à Chiang Rai à partir de 1970, e sua população não parava de crescer. Saltando de menos de 10.000 pessoas nos anos 70, para cerca de 1.300.000 pessoas atualmente. E esse número tende a crescer ainda mais nos próximos anos. 

A Tailândia era famosa por seus belíssimos templos, e em Chiang Rai o Wat Phra Singh, que ficava na Singhakai Road, abrigava a venerada imagem conhecida como Phra Buddha Si Hing, que agora se encontrava no templo do mesmo nome, em Chiang Mai. No lugar da original, existia uma réplica de Wat Phra, que era mantida no templo de Chiang Rai. O Wat Phra Keo, localizado na Ruang Nakorn Road, continha uma imagem de bronze de Chiang Saen e um Chedi, reconstruído no século XVI. Era onde fora descoberto,  em 1436, o famoso Budha de Esmeralda, que se encontrava no Wat Phra Kaew, no Complexo do Palácio Real de Bangkok.

 

 

Templo Branco

Além dos templos já mencionados, havia o Wat Rong Khun, também conhecido como Templo Branco, sendo um dos principais templos da Tailândia. Ao contrário da maioria dos templos turísticos do país, que eram antigos e  históricos, o White Temple era uma construção moderna, concluída na década de 1990. Estava situado a 5 km da cidade. ​Projetado por um artista local, chamado Chalermchai Kositpipat,  fora construído para ser tanto um templo budista quanto um templo hindu. De acordo com o projeto, Chalermchai comprara um templo existente, restaurara-o e projetara o Wat Rong Khun, em um estilo que combinava a estética da Dinastia Lanna e um com um toque pessoal que lembrava um pouco a Catedral da Sagrada Família, obra prima de Antonio Gaudi, em Barcelona.  Era um templo na forma, mas não na função!.

Mantinha uma trama florida, combinando fantásticas representações de criaturas míticas e símbolos atuais. A atenção aos detalhes, eram características em sua obra. O interessante era que novos templos, raramente eram construídos na Tailândia e a maioria dos que eram edificados nos dias de hoje, estavam de acordo com um modelo baseado no padrão dos templos de Bangkok, às vezes, independente do caráter regional. ​Quando se chegava ao Wat Rong Khun, a primeira impressão era bem marcante, pois o Templo parecia radiante, devido a milhares de pedacinhos de espelhos, que havia em seu revestimento externo. Para entrar no interior do Templo, pela entrada principal, se passava por um caminho suspenso, onde havia várias mãos desesperadas pedindo ajuda, as quais representavam o mal e as trevas. ​

 

O Templo destacava-se entre tantos outros da Tailândia, pelo fato de fazer alusão a ícones pagãos modernos (Michael Jackson, Tartarugas Ninja, Batman, entre outros), sem inspiração exclusivamente budista/religiosa. Era um manifesto de concreto, referente à cultura ocidental, com referências ao inferno, aos pedidos de salvação dos desesperados no purgatório (impressionante as escultura de mãos e crânios enlameados, ao redor da ponte de acesso ao Paraíso) e o Céu, simbolizado pelo altar no interior do Templo.

​As belas imagens do Templo, disfarçavam a realidade de sua localização. Situado em um quarteirão, no meio da cidade, delimitado por residências e comércio e por uma avenida muito movimentada, por todos os tipos de veículos e pessoas. A exuberância deste ponto turístico, encravado na rotina de uma cidade simples, fora uma intenção muito interessante de seu criador. Fora construído inteiro na cor branca, com milhares de pedaços de espelho formando mosaicos, que brilhavam com o reflexo do sol, proporcionando uma imagem espetacular. Na área ao redor do Templo, tudo era branco, estátuas, pontes, flores e até as carpas do lago. Os críticos de plantão certamente diriam que era puro racismo...

Templo Negro - 333 Moo 13 -  Nang Lae -

Ao contrário do imaculado Wat Rong Khun, o Baan Dam, ou Black Temple tinha linhas sombrias e escuras. Se o White Temple era considerado uma espécie de paraíso, o Baan Dam até poderia ser o inferno. Embora o Templo Negro fosse conhecido como templo, em sua essência ele era um museu, com uma curiosa coleção de construções, esculturas e outras obras, que tinha o inferno e a morte como fonte inspiradora. Era cercado por árvores, que involuntariamente criavam uma atmosfera misteriosa e escura. O prédio principal, construído em madeira escura e quase sem iluminação interior, abrigava vários itens, que iam desde ossos de animais e animais empalhados, instrumentos de caça dos povos primitivos, até várias peças contemporâneas. Em toda área da Black House, havia uma arquitetura rica em design criativo, com um total de mais de 40 peças expostas e que foram criadas pelo professor Thawan Duchanee. Dentro de cada, também eram exibidas outras obras de arte, que retratavam a identidade do artista, como chifres de búfalo, ossos de animais, pele de tigre e cobras, escultura em madeira bonita, todas de sua criação. Em 2001 o professor fora homenageado e proclamado,  como o melhor artista nacional em arte visual (pintura).

​​​

 

                                                                                 

 

 Templo Azul

 

Era o mais novo e pouco conhecido templo de Chiang Rai, fora construído por um estudante, discípulo de Chalermchai Kositpipat.  Sua construção começara em outubro de 2005 e terminara em janeiro de 2016, ocupando uma área de 6 hectares, onde havia um antigo templo denominado Wat Rong Suea Ten ( O Templo do Tigre Dançante ). A cor azul do templo, aparentemente representava o Dharma, o código de moral da virtude de Buda que se espalhara pelo mundo, tornando-se a doutrina da religião. Este templo mostrava a arte budista contemporânea, riquíssima em detalhes.

Com um design semelhante ao da Casa Negra, o Templo Azul tinha como elemento característico: o jogo de cores entre azul e amarelo, que decorava todo o prédio e a cor branca que decorava as principais figuras de Buda, que estavam em seu interior. Dentro do Complexo, destacavam-se os duas grandes Nagas (figuras mitológicas em forma de cobra) que flanqueavam a entrada e o Salão Principal. A parte mais bonita do templo, era o salão principal ou Ubusot, onde destacavam-se os murais que decoravam o teto e as paredes, e especialmente a impressionante figura branca de 6 metros de altura de um Buda sentado. A figura era ainda mais bonita, graças aos reflexos azuis e rosa, que eram gerados com a luz do interior da sala. Do lado de fora da sala, destacavam-se os acabamentos nos seus telhados que, graças à cor dourada que o cobria, o tornavam ainda mais marcante. Na parte oposta da entrada, uma figura branca de 12 metros do Buda, também refletia a grandeza do templo.

                               

 

                             Interior do Templo Azul

As Tribos -

Além dos templos e das atividades ao ar livre, para quem visitasse Chiang Rai e o norte da Tailândia, um programa bastante popular era conhecer as Hill Tribes, as tribos da montanha que habitavam essa região do Triângulo Dourado. Eram doze grupos étnicos reconhecidos nesta região, onde viviam as mulheres girafas.

Bazar Noturno -

Localizado na área central, próximo ao Terminal 1, o Mercado possuia recantos e alguns truques, que deveriam ser conhecidos. Primeiro e, principalmente para os amantes das compras, é onde encontraria  as coisas mais barata na Tailândia!. Falar de poucos bahts que mudavam o preço, parece algo ridículo, mas a diferença chamava a atenção. Um top com cerveja Chang Simples, em Bangkok 200 bahts, em Chiang Mai 150 Bahts e no Mercado noturno de Chiang Rai, 100 Bahts. O que era realmente atraente no Night Bazaar, não era necessariamente fazer compras, mas a atmosfera que era apreciada na hora do jantar, em ambos os lugares. Esse detalhe também era importante, porque havia duas áreas onde se poderia jantar, enquanto assistia a um show ao vivo no palco. Aproveite e experimente as comidas típicas regionais e da Ásia em geral.

Hill Tribe Museu – PDA Building,  3º andar -  Thanalai Road - Muang District, Wiang Mueang -

Fora criado para melhorar a qualidade de vida e promover a educação para as tribos das colinas adjacentes. O museu fora fundado em 1987, para ser uma fonte de informação sobre a vida tribal em Chiang Rai e para transmitir informações aos turistas sobre o modo de vida das tribos das montanhas. No interior, havia painéis com informações sobre as 6 tribos das colinas no norte da Tailândia: Hmong, Akha, Lahu, Lisu, Yao e Karen, exibição de roupas tribais, ferramentas aplicadas a partir de materiais da natureza, especialmente bambu, exposição sobre os 5.500 anos de história do ópio e sua invasão ao Sudeste Asiático. Havia também apresentações de slides multivisão sobre as tribos das colinas, com narração em inglês, alemão, francês e japonês. Ao lado tinha um folclórico Café & Preservativos.

Museu do Brinquedo -  540 Moo 5, Baan Huai Sak –

Fundada por um menino de 13 anos que adorava brinquedos, reunia mais de 5.000 peças de brinquedos oriundos, originalmente de seus familiares, desde os avós até os pais, vizinhos e amigos.  Estava localizado  em Nithara Nakorn – sub distrito de Ban Huay Sak, em Mueang. Abria aos sábados, domingos e feriados das 9.00 as 18.00h.

Museu Oub Kham -  Nahkhai Road, 81/1 -

​Embora menos popular entre os turistas do que outros museus e destinos culturais, o Museu Oub Kham, oferecia uma história abrangente de mil anos do povo Tai e da cultura Lanna. Apresentava coleções particulares de artefatos antigos, tecidos, imagens de Buda e itens de uso diário pertencentes a Julasak Suriyachai, descendente de uma antiga Família Real de Lanna. O destaque, era o trono de ouro, de mais de 400 anos, que pertencera a Realeza de Tai Yai, do Estado de Shan, em Mianmar, considerado o único de seu tipo no mundo. Abria diariamente das 8.00 as 17.00h - O ingresso custava 300 Bahts.

Phra that Doi Tung – 

Era uma montanha situada ao norte da Tailândia, na região do Triângulo Dourado. Era o local de um templo e uma antiga Vila Real. Aproveite a brisa confortável quando, estiver com vista para a paisagem montanhosa das plantações de chá, que dominavam a região.

Phu Chi Fa – 

Era uma área de montanha e Parque Florestal Nacional, com vista para as montanhas circundantes, era uma das atrações turísticas das terras altas da Tailândia, perto da Província de Chiang Rai. Os turistas visitavam a montanha, especialmente ao amanhecer, para vislumbrar o mar de névoa, a vista das colinas cercadas de neblina, com alturas que variavam entre 1.200 e 1.600m, a leste da montanha.

Singha Parque –  Mae Kon, 99 -  Distrito de Mueang -

Era uma extensa área verde, com uma enorme escultura de um dragão dourado, logo na entrada; lagos; montanhas; tudo acessível através de um passeio de trenzinho ou de bicicleta.

Termas de Pong Phra Bat –

Estava situada em Ban Du e próximo da Província de Chiang Rai, e a temperatura era perfeita para um banho relaxante. A temperatura era de cerca de 60 graus e não tinha cheiro forte. A melhor hora para ir era pela manhã ou à noite, ou a qualquer hora no inverno. Havia entrada gratuita para as piscinas rasas e para caminhadas

Torre do Relógio

Localizada no círculo de Banpha Prakan Road, Suk Sathit Road e Chet Yot Road, conhecer a Torre do Relógio era uma obrigação das coisas para fazer na Província de Chiang Rai. Com o apoio do município de Chiang Rai e projetada por Achan Chalermchai Kositpipat – um artista nacional – esta era uma das mais belas torres do relógio da Tailândia, fora construída em 2005 para homenagear Sua Majestade, a Rainha Sirikit.

Triângulo Dourado –

Situado mais ou menos 60 quilômetros ao norte da cidade de Chiang Rai, mas dentro da Província de mesmo nome, ficava o Triângulo Dourado. Mais conhecido pelos locais como Sop Ruak, era a tríplice fronteira entre a Tailândia, o Laos e Myanmar. Era nesse local que o Rio Ruak deságuava no Rio Mekong, formando um triângulo natural. Era hoje um parque natural, cercado pelas exuberantes selvas tailandesas e margeado pelos rios. Os bosques dividiam espaço com as plantações de chá que, no passado, eram plantações de ópio.

Wat Huay Pla Kang –

Este era outro dos templos relativamente recentes de Chiang Rai, localizado em uma colina, na área rural ao norte da cidade. A arquitetura do  templo combinava desenhos Lanna Thai e chinês. O Complexo abrigava um pagode de nove níveis e uma estátua gigantesca de Guanyin, a Deusa Chinesa da Misericórdia. A imagem fora apelidada de Grande Buda de Chiang Rai, e o local era conhecido por ter um ótimo local para assistir o pôr do sol, em um ambiente sereno. Um ônibus gratuito do estacionamento, levava os visitantes até a base da estátua.

 

Wat Phra Kaew Morakot  - Trairat Road - Mueang  

Originalmente chamado Wat Pa Yia ( Mosteiro da Floresta de Bambu ) no dialeto local, era o templo budista mais reverenciado da cidade. A sala de oração principal era uma estrutura de madeira de tamanho médio e bem preservada. O chedi octogonal (stupa ) por trás dele, datava do final do século XIV e era no estilo típico de Lanna. O prédio de teca de dois andares adjacente, era um museu que abrigava vários artefatos de Lanna. Havia registros que em 1434, um raio atingira o chedi do templo, que se desfizera para revelar o Phra Kaew Morakot, ou Buda de Esmeralda ( na verdade, era feito de jade ).

Após uma longa viagem que incluia uma escala em Vientiane, Laos, este talismã nacional estava agora abrigado no templo de mesmo nome, em Bangkok. Em 1990, Chiang Rai contratara um artista chinês para esculpir uma nova imagem de jade canadense. Chamado de Phra Yok Chiang Rai ( Chiang Rai Jade Buddha ), fora intencionalmente uma réplica muito próxima, mas não exata, do Phra Kaew Morakot, em Bangkok, medindo 48,3 cm de base e 65,9 cm de altura. A imagem estava alojada no impressionante Haw Phra Yoke, cujas paredes eram decoradas com belos murais modernos, alguns representando a jornada do Phra Kaew Morakot original, bem como a elaborada cerimônia que vira a imagem atual chegar à sua nova casa, em Chiang Rai.

Wat Phra Singh  -  Tambon Wiang - Mueang 

Era um dos templos mais antigos, fora construído em 1385, pouco mais de um século depois que a cidade de Chiang Rai fora fundada pelo Rei Mengrai, em 1262. As principais estruturas do templo estilo Lanna, eram o ubosot, o viharn, uma capela contendo uma pegada do Buda, e os Kuti ou alojamentos de monges. A estrutura original mais antiga ainda em pé nos templos budistas do norte da Tailândia, era geralmente um chedi ou pagode. O chedi de estilo singalês banhado a ouro, do Wat Phra Singh, ficava atrás do viharn. Consistia em uma base quadrada com pequenos santuários nas laterais, que continham imagens de Buda e um topo em forma de espiral.

Wat Phra That Doi Chom Thong –  Tambon Rop Wiang - Mueang -

Havia um Chedi ou pagode dourado de Stupa, instalado no centro do templo. O Chedi fora construído com uma mistura de estilo Bhu-kam ( antiga Birmânia ) e Lanna. Tinha cerca de 14 metros de altura, e a base de pétalas de lótus, o corpo, o sino, a parte superior do Chedi fora decorada com uma folha de ouro. Era um dos templos mais antigos de Chiang Rai. Constava que o templo existia antes de Chiang Rai, estabelecido em 1272, de acordo com a tradição de Phraya Prachakorn Jak.

Wat Soi Ngam Muang -

O templo Wat Soi Ngam Muang estava localizado na colina atrás do Wat Phra Kaew, no topo do qual ficava o Phra That Doi Jom Thong. Começava com uma longa escadaria de 74 degraus, com clássico corrimão naga. Era outro templo importante e contava com um antigo chedi, com os restos mortais do Rei Mengrai

Wiang Kum Kam   -  Distrito de Chiang Saen - 

Era considerado um dos mais importantes centros no mundo, de pesquisa e informações sobre o ópio, drogas derivadas e outros narcóticos. Eram incríveis as apresentações sobre o comércio ilegal, os efeitos colaterais nos usuários de heroína, a Guerra do Ópio, a reprodução dos antigos fumódromos da droga, e outras tantas observações sobre o tema.

 

                                                                       

                                                                              

 

Singha Park

CHIANG RAI 5.jpg
CHIANG RAI 7.jpg
Templo azul.jpg
bottom of page