top of page

BILBAO - Terra do Museu Guggenheim - Espanha   

ETIAS 2025 - Autorização para entrar na Europa

Anunciado em 2016, o  European Travel Information and Authorization System (ETIAS) Sistema Europeu de Informação e Autorização — está cada vez mais próximo de ser concretizado. A nova regra de entrada de estrangeiros na Europa se baseia no sistema americano, com maior segurança e será válido a partir de 2025 mas ainda sem data para início dos procedimentosO sistema verificará as credenciais de segurança e cobrará uma taxa (atualmente divulgada como sete euros) dos viajantes que visitam os países-membros do Tratado de Schengen, para fins de negócios, turismo, médicos ou de trânsito. Os viajantes, que atualmente visitam a Europa sem Visto, podem entrar na UE e nos países-membros de Schengen, gratuitamente e sem qualquer triagem de segurança digital antes de sua chegada à Europa. Vale lembrar que o ETIAS não será um Visto, mas uma autorização de viagem para viajantes que não precisam de Visto Consular para visitar a Europa.

As informações e recomendações inseridas neste texto, objetiva facilitar seu programa de viagem para visitar esta agradável e charmosa cidade espanhola. Escolha o que pretende conhecer e monte seu roteiro para melhor aproveitar sua passagem por aqui...

Bilbao fazia parte da comunidade autônoma do País Basco espanhol, capital da Província e território histórico da Biscaia, com pouco mais de 345 mil habitantes. O Casco Viejo de Bilbao era o centro histórico da cidade, organizado ao redor das 7 calles, sete ruas paralelas entre a Catedral e o Rio Nervión. A maioria das ruas do Casco Viejo, eram  para pedestres e um ótimo lugar para passear e experimentar a culinária local. ​Era uma cidade pequena e muito fácil de ser explorada. Era possível conhecer suas atrações principais em um fim de semana, mas antes de começar a bater perna a sugestão era vê-la do alto, a partir do Monte Artxanda.  

As distâncias entre as atrações turísticas de Bilbao eram curtas, mas mesmo assim vale a pena fazer ao menos uma viagem no futurista Metrô da cidade, desenhado pelo arquiteto britânico Norman Foster. Em muitas das estações do Metrô, os acessos eram em forma de conchas de aço e vidro, apelidadas de fosteritos pelos moradores. O Metrô era a melhor meio de transporte para chegar até a Puente de Vizcaya. Outras formas de transporte na cidade incluiam o Tranvía (bonde) e o Bilbobus (ônibus). Se for permanecer em Bilbao pelo menos um dia, compensa comprar um cartão de transporte Barik, que permitia pagar preços reduzidos nos diferentes meios de transporte da cidade.

Referências históricas e turísticas

​​Basílica de Begoña – Calle Virgen de Begõna, 38 -

Esta obra do arquiteto Sancho Martínez de Arego, foi construída no local onde a Virgem teria aparecido em visão, no início do século XVI, era predominantemente gótica, mas misturava vários estilos. A Basílica era uma visita obrigatória para os cidadãos de Bilbao, que vinham diariamente a este Santuário para venerar a Virgem de Begoña, padroeira de Bizkaia, conhecida localmente como a Amatxu ( mãe ). Os marinheiros também eram devotos da Virgem e, por isso desde o século XVI, muitos barcos foram registrados em Bilbao, com o nome de Virgem de Begoña ou simplesmente Begoña. Era costume dos marinheiros saudar o Santuário e cantar o Salve Regina quando avistam a igreja de longe ao subirem o rio. Abria a visitas das 9.30 as 13.30h e das 16.30 as 20.30h, de segunda a sexta.  A entrada era livre.

 

Ensanche –

No final do século XVIII, Bilbao precisava crescer além dos limites da cidade antiga, então foi apresentado um projeto de Ensanche, de expansão da cidade, de forma similar ao acontecido em Barcelona, com seu Eixample. Ensanche era o nome que acabaria recebendo o novo distrito, caracterizado pelo desenho regular de suas ruas. O eixo principal do Ensanche era a Gran Via de Diego López De Haro, que cortava a região de leste a oeste, e era o centro comercial da cidade. ​Quem gostasse de arquitetura iria se surpreender com belos prédios ao longo do Ensanche,   incluindo   o   Teatro Campos Elíseos, o Palácio da Diputación Foral de Vizcaya, a moderna Biblioteca Foral, o Centro Cultural Azkuna Zentroa, o antigo Alhóndiga, com suas incríveis colunas desenhadas por Philippe Starck, e o belo Guridi, de estilo modernista. ​O Rio Nervión atravessa Bilbao e separava a cidade antiga (Casco Viejo) da moderna (Ensanche). Aproveite para dar um passeio ao longo da Ría del Nervión. O passeio poderia começar junto ao Teatro Arriaga, na entrada do Casco Viejo, passar pela frente do Ayuntamiento e continuar até a Puente Zubizuri, obra do arquiteto Calatrava. O passeio poderia seguir até o Museu Guggenheim ou até a estação inferior do Funicular de Artxanda.

​Gran Via –

Oficialmente chamada de Don Diego López Haroko Kale Nagusia, cortava a macrorregião de Abando em duas, deixando Abandoibarra ao norte e Indautxu ao sul. Era onde estavam algumas das mais belas construções históricas da cidade, como o Palácio da Deputação Foral da Biscaia. Na rotatória que cercava a Plaza Moyúa, estavaas o Palácio Chávarri. Se estiver com tempo aventure-se pelas diversas ruas que afluiam para a Gran Vía, como a Alameda de Recalde. Na porção ao norte da avenida, ela abrigava a Galeria Rekalde e a Casa Montero, um belo exemplo de arquitetura art nouveau, construída há quase 120 anos. Na porção sul, a Alameda de Recalde dava acesso ao Azkuna Zentroa, ou Alhóndiga Municipal de Bilbao, que servi9a como centro de recreio, esportes e cultura para cidadãos que procuravam o que fazer em Bilbao.

Mercado La Ribera – Calle Ribera, 22 –

Instalado  junto à Ria de Bilbao, no coração do Casco Viejo,  era uma importante referência comercial da cidade e de toda a Bizkaia. As pontes San Antón e La Ribera, situadas nas proximidades desta Zona do Ribera, ajudaram a converter  seu entorno, num ambiente econômico de grande importância. A história do Mercado remontava ao século XIV, ainda que o prédio atual tenha sido inaugurado em 1929. Desde então, foi várias vezes remodelado e em 1984, foi forçado a sofrer grandes remodelações após a enchente de 1983. Poucos anos depois, em 1990, obteve o Recorde do Guinness, por ser o mais completo Mercado Municipal de Alimentos  e o maior mercado coberto da Europa. O recinto era   composto por três pisos, onde se poderia encontrar uma grande variedade de alimentos, restaurantes, bares e gastro-bares, como tapas, presuntos, mariscos, gildas e desfrutar do melhor jazz ao vivo.

Mirador de Artxanda – Enekuri Artxanda Errepidea, 70 -

Para registrar belíssimas imagens da cidade, suba até o Mirador de Artxanda utilizando o Funicular, um antigo meio de transporte inaugurado em 1915 que operava a cada 15 minutos das 7.15 até as 22.00h e nos fins de semana das 8.15 as 22.00h. A viagem até o alto (769 metros) era rápida e levava cerca de 3 minutos. A estação inferior do Funicular ficava próxima da Ponte de Zubizuri. No alto do morro, havia um parque com um Mirante que proporcionava vistas panorâmicas de Bilbao e sua região metropolitana. No parque havia uma interessante escultura, Huella digital, uma homenagem às vítimas da Guerra Civil espanhola. 

Museu Arqueológico da Biscaia - Malona Galtzada, 2 -

Era dedicado à história da Província da Biscaia e propunha conectar o passado com a sociedade atual. A área expositiva de dois pisos mostrava a história da Província através dos vestígios deixados pelos seus habitantes, desde a pré-história até aos tempos mais recentes. A maioria das peças expostas eram objetos de escavações realizadas na região da Biscaia.

Museu Arqueológico, Etnográfico e Histórico Basco - Unamuno Miguel Plaza, 4 -

Instalado na antiga Igreja e Colégio São Andrés, da Companhia de Jesus, datada do século XVII, tinha um acervo que abrangia mais de 20 mil itens, incluindo esculturas, sarcófagos, altares e equipamentos de pesca, onde o visitante saberia mais sobre o povo da região. Geralmente aos sábados e domingos a tarde, havia apresentações de danças típicas regionais. Abria a visitas diariamente das 10.00 as 19.00h. Fechava nas terças-feiras.

Museu da Indústria Rialia – La Canilla Ibilbidea, s/n -

O museu industrial RIALIA ( que levava o nome do rio ) ocupava um prédio iniciado em 1993 e destinado a vários projetos que ainda estavam em prospecção ou execução. Inaugurado em 2006, tinha uma exposição permanente baseada nas coleções históricas e artísticas de Altos Hornos de Vizcaya e Babcock & Wilcox, além de exposições recebidas em doações. A última sala era utilizada para oferecer exposições temporárias, tanto de artistas locais como relacionadas com temas industriais, marítimos, náuticos, entre outros. O acervo incluia aquarelas, pinturas a óleo, instrumentos e materiais utilizados no trabalho e relacionados com o desenvolvimento industrial. Sediado em Portugalete, um município na margem sudoeste do Rio Nervión, na jusante de Bilbao, onde o rio era mais conhecido como Ria de Bilbao.

Museu de Belas Artes - Museo Plaza, 2 –

Era o museu mais tradicional e também muito bonito. Abrigava obras de artistas espanhóis bem conhecidos como El Greco e Velázquez, mas também obras de artistas do País Basco. A sugestão era aproveitar a proximidade com o Guggenheim, para ter um dia completamente artístico! Ficava no Parque Doña Casilda, uma área verde bem no meio da cidade que era muito bem aproveitada pelos locais. Desde sua abertura há mais de 110 anos, o Museu de Belas Artes de Bilbao se tornava um gigante quando o assunto era acervo, reunindo mais de 10 mil itens que iam de pinturas até artefatos de arte aplicada. Abria de quarta a segunda das 10.00 as 20.00h ( a entrada a partir das 18.00h era gratuita ). Entre 10.00 e 18.00h, o preço dos ingressos era de 10 euros. Visitantes acima de 65 anos pagavam 8 euros, bem como grupos de mais de 15 integrantes.

Museu de Reproduções Artísticas –  Calle San Frantzisko Kalea, 14 -

Criado em 1927, era um dos mais antigos da cidade, tinha como objetivo melhorar a oferta cultural e facilitar o aprendizado aos estudantes de Belas Artes. Desde a sua fundação, teve diferentes localizações até finalmente ser instalado na Igreja neo-gótica do Coração de Maria. As primeiras obras que chegaram de Madri, entre elas: David, de Verrochio; El Niño de la Espina, El Torso, de Belvedere e depois chegaram réplicas de museus europeus, por exemplo, do Vaticano veio Laoconte e seus filhos, ou Apollo, de Belveder, e do Louvre em Paris, a Vênus de Milo e a Vitória de Samotrácia. As visitas guiadas eram gratuitas nas primeiras e últimas sextas-feiras e sábados de cada mês, desde que houvesse um mínimo de 5 pessoas para a sua realização e mediante marcação prévia através do telefone 946 790 255. 

Museu dos Passos da Semana Santa – Calle Iturribide, 3 -

Localizado no coração da Cidade Velha, era onde se podia admirar a maioria das etapas que percorriam as ruas da cidade durante a Semana Santa. Cada Confraria possuia um estande onde estavam expostos seus elementos mais representativos e importantes. A coleção incluia esculturas em madeira poli-cromadas, obras de importantes escultores do imaginário basco, como Higinio Basterra, José María Garros, Juan de Guraya, Ricardo Iñurria, Juan Larrea e Quintín de Torre, além de outros de origem castelhana, levantina e andaluza. A exposição permanente era composta, pelas seguintes etapas: O Burrinho, A Última Ceia, Oração no Horto, A Prisão, Jesus diante de Anás, Os Flagelos, A Coroação de Espinhos, Ecce-Homo, Jesus com o cruzar de uma ladeira, O Encontro, As Três Cruzes, A Descida e Cristo Reclinado. As visitas podiam ser feitas de terça a sexta das 11.00 as 13.30h e das 17.00 as 19.30h. Aos sábados era das 11.00 as 14.00h e das 17.00 as 20.00h. Aos domingos era das 11.00 até as 14.00h.

Museu Guggenheim - Avenida Abandoibarra, 2 –

​Quando foi inaugurado em 1997, poucos poderiam imaginar o incrível impacto que o Museu Guggenheim promoveria na cidade. A espetacular obra do arquiteto Frank Gehry colocou Bilbao no mapa turístico da Espanha e alavancou a revitalização de uma cidade cuja oferta turística crescia muito além do Museu que lhe dava fama. Dê uma volta ao redor do Museu e se maravilhe com os efeitos que a luz produzia nas chapas de titânio que revestiam a parte exterior do prédio. No entorno do Museu também estavam várias obras de arte, entre as quais se destaca Puppy, apelido dado pelos cidadãos de Bilbao ao gigantesco cachorro coberto por flores. 

​O prédio era tão famoso quanto a coleção que abrigava. Em seu interior havia exposições temporárias de arte moderna. A  parte interna era tão interessante quanto a externa, cheia de curvas e níveis e áreas abertas, da onde era possível avistar o Museu inteiro. Havia um vão central que interligava todos os andares. ​Outro item interessante sobre o Guggenheim, era seu entorno: a praça com o café/lanchonete logo em frente e as várias esculturas ao ar livre. Abria de terça a domingo das 10.00 às 20.00h. O ingresso custava 15 euros, em 2020.

Museu Marítimo -  Calle Ramón de la Sota Kaia, 1 - 

Era focado na conservação e divulgação do patrimônio marítimo, da Ria de Bilbao, numa perspectiva lúdica, para visitantes locais e estrangeiros, instalado na zona das docas dos antigos estaleiros Euskalduna, e a visita fazia parte do passeio marítimo de Abandoibarra, junto ao Guggenheim e ao Palácio Euskalduna. Na área externa, no Cais, estava localizada uma parte da exposição, como os barcos, âncoras, bóias e o guindaste Carola. Dentro do Museu numa área de 7.000 m2 aproximadamente, dividida em dois andares, estavam as exposições temporárias e permanentes. A exposição permanente articulava-se em torno de três temas principais: o ambiente físico da Ria, a evolução do comércio em Bilbao e seus arredores e a evolução da indústria em relação ao meio ambiente. Diferentes tipos de maquetes, audiovisuais ou recriações em tamanho real, compunham a exposição permanente do Museu. As visitas podiam ser feitas de terças a sextas-feiras das 10.00 as 18.00h e aos sábados, e aos domingos e  feriados das 10.00 as 20.00h.

​Palácio do Conselho Provincial de Bizkaia  - Gran Vía Don Diego López de Haro, 25 –

Suas obras foram iniciadas em 1890, conduzidas pelo arquiteto Luis Aladrén, cujo projeto correspondia às expectativas da burguesia Bizkaia, que pretendia expressar na sua nova sede, o crescimento e a pujança da economia da região. O interior do palácio respondia à mesma recarga decorativa exterior, sendo um claro exemplo do esplendor das artes aplicadas da época em Bizkaia: mármore, madeira, estuque, espelhos, gesso, vasos, cerâmica e vitrais. Exemplos eram as pinturas do teto, de José Echenagusia, Anselmo Guinea e Alvaro Alcalá Galiano, os três painéis de cerâmica de Daniel Zuloaga e o vitral da escadaria principal, obra de Anselmo Guinea.

Parques de Abandoibarra -

Em Abandoibarra não faltam parques e os quatro maiores ficavam em torno do Museu de Belas Artes e do Guggenheim Bilbao, e eram o Parque República de Abando, Parque Casilda Iturrizar, Parque Paseo de la Memoria e o Parque Erribera, que abrigava o Palácio Euskalduna e o Paseo de la Memoria, que fazia parte das obras de revitalização da cidade e reunia esculturas de grandes nomes como Louise Bourgeois, Anish Kapoor e Jedd Novatt.

Pintxos –

Eram os tira-gostos servidos no palito, que eram o eixo da cultura culinária de Bilbao. Com tempo bom ou ruim, as ruas e os bares ficavam repletos de moradores e visitantes, que se reunia em torno aos pintxos, zuritos (pequenos copos de cerveja) ou txiquitos (pequenos copos de vinho). Existia uma grande concorrência entre bares para apresentar os melhores pintxos. Quando estiver em Bilbao, saia para txikitear, o verbo que descrevia a ação de ir de um bar a outro, bebendo um vinho e experimentado um pintxo em cada um deles. Algumas regiões destacadas para a prática do txikiteo eram  a Calle Ledesma ou o Casco Viejo, especialmente a Plaza Nueva. Gostando de pintxos modernos, o Irrintzi, no Casco Viejo era uma escolha segura.

​Ponte de Vizcaia  e Santurce –

A visita à Ponte de Vizcaya, com uma extensão até a cidadezinha de pescadores de Santurce, era um dos passeios mais interessantes para serem feitos saindo de Bilbao. Conhecida como Puente de Vizcaya, Puente Bizkaia, Puente Colgante ou Puente de Portugalete, foi inaugurada en 1893 para conectar as cidades de Getxo e Portugalete, na Grande Bilbao. A ponte pênsil tinha características únicas, que faziam com que ela fosse declarada Patrimônio Mundial da Humanidade pela UNESCO, em 2006.  A partir da base da ponte, que ficava no lado do município de Portugalete, era um agradável passeio de 15 minutos até Santurce, uma cidade com uma longa tradição pesqueira. Aproveite para experimentar as sardinhas que davam fama à cidade!.

Praça Nova -

Foi inaugurada em 1851, após uma construção que durou 65 anos e hoje, convertida em uma das referências urbanas do Bairro Antigo de Bilbao, a Plaza Nueva era um dos centros nevrálgicos da vida social da cidade. Nas arcadas deste monumental Complexo neoclássico, o comércio alternava com bares, restaurantes e cafés,  onde era quase obrigatório parar para desfrutar do ambiente animado do lugar. Aos domingos, servia  de palco para uma feira de antiguidades para colecionadores de livros e discos, minerais e fósseis, moedas, selos e artesanatos. Durante a Festa de Santo Tomás, no dia 21 de dezembro, era palco de uma colorida feira agrícola com produtos típicos de todo o País Basco. Aqui  convergiam as ruas mais importantes da região: Artecalle, Barrencalle, Barrencalle Barrena, Belosticalle, Carniceria Vieja e Somera. 

Teatro Arriaga – Plaza Arriga, 1 –

Era um prédio muito bonito, inspirado na Ópera de Paris, obra do arquiteto municipal Joaquín Rucoba, inaugurado em 1890. Em 1902 foi batizado em homenagem ao músico de Bilbao,  Juan Crisóstomo Arriaga, conhecido como o Mozart espanhol, por seu talento ( aos 13 anos compôs sua primeira ópera e pouco antes dos 20 anos, morreu de tuberculose ). Assim como outros prédios no bairro antigo de Bilbao, foi seriamente danificado na enchente de 1983. Quem quiser visitá-lo apenas pela curiosidade a respeito do Arriaga, também poderia agendar visitas guiadas, realizadas aos sábados e domingos entre 11.00 e 13.00h. O preço da entrada era de 5 Euros.

Universidad de Deusto - Avenida de las Universidades, 24 -

Seu campus estava localizado entre o Museu Guggenheim, o Palácio de Congressos e da Música Euskalduna, prédios situados na área de Abandoibarra. Desta área se podia chegar à Universidade de Deusto, através da Passarela Padre Arrupe, outra ponte de ligação com o centro de Bilbao, e além da passarela havia a Ponte de Deusto. Seu prédio mais antigo era o da Universidade Literária (1886), de estilo classicista e obra do Marquês de Cubas. No interior, distribuído em dois claustros, destacava-se a escadaria central, assim como o auditório, sua capela gótica e a biblioteca. O outro grande prédio que compõe o campus era a Universidade Comercial, inaugurada em 1916.

Onde dormir

​Para escolher a melhor região para se hospedar precisava saber como a cidade estava dividida. Assim, seria mais fácil escolher uma região adequada aos objetivos da sua viagem. Bilbao tinha oito distritos, que estavam subdivididos em 34 bairros. Desse total, seis bairros surgiam como boas opções para turistas: Casco Viejo e o vizinho Abando, o tripé Moyua, Indautxu e Sam Mamés, e Deusto, que ficava na outra margem do rio.

Casco Viejo e Abando, na margem oposta do rio, eram os bairros mais procurados por viajantes por formarem o centro histórico, uma região com muitas construções históricas, românticas e fotogênicas, além de abrigar a maior concentração de pontos turísticos, como o Guggenheim, o Teatro Campos Elíseos e o Mercado La Ribera. Deusto era uma zona mais jovial, onde estava instalada a Universidade de Deusto. O bairro era repleto de bares baratos, restaurantes da moda e muitas lojas de grifes e artesanatos A tríade Moyua, Indautxu e San Mamés ficava no meio do caminho entre o centro histórico e a região de Deusto, sendo uma boa opção para uma hospedagem mais em conta. Para uma hospedagem  econômica, acesse o app El Quarto, que  oferecia acomodações a preços exclusivos e até com condições facilitadas para pagamento em reais e sem o IOF.

Cosmov Bilbao - $$$ -  Alameda Recalde 12 -

Era um hotel de design, com uma excelente localização no Ensanche e próximo do Museu Guggenheim.

Hotel Abando - $$$ -  Calle Colón de Larreátegui Kalea, 9 - 

Era um confortável hotel com uma localização muito boa, próximo da Estação de Trens e do centro histórico.

 

Hotel Bilbao Plaza - $$$ -   Calle Campo de Volantín Pasealekua, 1 -

Era um hotel moderno, localizado entre o centro histórico e o Museu Guggenheim, com vistas para a Ría de Bilbao.

Hotel Ercilia de Bilbao - $$$$ - Calle Ercilia, 37 –

Era também moderno hotel, localizado no centro de Bilbao. Dispunha de  acomodações elegantes, com TV de tela plana via satélite, Wi-Fi grátis e banheiro privativo. O Bar Americano ofereceiacafé da manhã, almoço e jantar com a culinária basca. O bar de coquetéis La Terraza tinha vista para a cidade e também servia jantar.

 

Hotel Ilunion Bilbao - $$$ - Calle Rodriguez Arias, 66 –

Ficava a 100 metros das estações de ônibus e Metrô San Mamés. Os quartos modernos incluiam ar-condicionado, frigobar e TV de tela plana via satélite, acesso a Internet e banheiro privativo com secador de cabelo. Oferecia café da manhã e o La Kedada Bar & Restaurante. Era acessível para hóspedes com mobilidade reduzida,  estavam disponíveis mediante pedido, bem como opções para pessoas com deficiência auditiva ou visual. Dispunha de uma academia.

 

Categoria Econômica

​Casual Gurea - $$ - Calle Bidebarrieta Kalea, 14 – 

Os quartos apresentavam decoração temática com piso em madeira e aquecimento, incluiam TV de tela plana, e banheiro privativo com secador de cabelo. Dispunha de um lounge compartilhado, com máquinas de venda automática e micro-ondas. Fornecia serviços como aluguel de bicicletas, depósito gratuito para bagagem e 2 computadores com Iinternet gratuita à disposição dos hóspedes.

Hostal Begoña  -  $$ -  Calle Adiskidetasun Kalea, 2 - 

Era um hostel com ótima localização no Ensanche, muito próximo da Estação de Trens e do centro histórico.

IBIS Bilbao Centro –  $$ -  Calle General Concha, 28 -

Era um bom hotel Ibis, com o padrão habitual da rede francesa Accor, estava localizado no Ensanche de Bilbao, próximo da Estação de Abando.

 

Pension Basque Boutique - $$ - La Torre Calea, 2 – 1º piso-

Dispunha de quartos elegantes com ar-condicionado e Wi-Fi gratuito e estava localizado no centro histórico, a 150 m da Catedral de Santiago. Todos os quartos apresentavam decoração exclusiva com móveis feitos à mão e acabamentos artísticos inspirados na cultura basca,  TV HD e um banheiro privativo com secador de cabelo.

 

Quartier Bilbao Hostel - $$ -   Calle Artekale Kalea, 15 -

Era também um bom hostel, instalado no centro histórico e que oferecia bons dormitórios e quartos privados.

 

Onde comer

Bar El EME -  Concha Jeneralaren Kalea, 5  -

Era um dos lugares mais conhecidos em Bilbao. Seus sanduíches eram únicos e altamente valorizados entre os locais, que de tempos em tempos trocavam os pintxos da Cidade Velha, por  um sanduíche do EME. Havia alguns meses foi renovado, mas isso não impedia as filas que eram formadas à sua porta, uma demonstração de como eram bons seus sanduíches

 

Batzoki de Bilbao Zaharra – Calle Tenderia, 17 – Casco Viejo -

Dentre os restaurantes econômicos no bairro antigo de Bilbao, incluía-se este como um dos locais mais populares da região. Uma grande variedade de pratos podia ser escolhido por apenas 20 Euros, como pescados, lula na sua tinta, grelhados, o menú do dia de segunda a sexta-feira. Também oferecia opções celíacas, adaptando qualquer prato para pessoas alérgicas ao glúten. Era forte na cozinha espanhola, tapas, aperitivos, menú degustação, cardápio do dia e  menu infantil.

 

Hot Dog House – Calle San Mames Zumarkalea, 34 -​ 

Este pequeno restaurante estava ligado à Alhóndiga. Não se deixe enganar pelo nome, a coisa mais rica não eram os cachorros quentes, mas os hambúrgueres, especialmente o de frango empanado. Não deixe de provar as batatas de milho. O local era pequeno e tinha que pagar por cada item adicionado (queijo, cebola frita, bacon ) mas a melhor coisa, além do sabor dos hambúrgueres era que ofereciam um monte de molhos para rechear seu sanduba.

 

Iñakiren Taberna - Calle Barrenkale Barrena, 14 -

Funcionava desde 1985, após as inundações em Bilbao. Em 2017 foi considerado um dos melhores restaurantes em Casco Viejo. Era um restaurante familiar onde se podia encontrar a culinária Basca da melhor qualidade. O cardápio incluia além de comidas bascas, grelhados e saladas. A recomendação era experimentar o cardápio do dia e não deixar de provar a Saia assada.

 

Restaurante La Mary – Calle Arriquíbar Plaza, 3 -

Estava localizado numa das melhores zonas da cidade e a sua decoração era de um restaurante de luxo, concebida por um prestigiado designer de interiores. Era um restaurante clássico, que ficava perto das estações de Metrô de Indautxu e Abando. A sala de jantar era enorme e dividida em várias áreas.  Às vezes é preciso esperar um pouco porque quase sempre tinha fila. Era muito bem recomendado.

 

Kasko -  Calle Andra Maria Kalea, 16 -

Estava muito bem localizado, era recomendado chegar antes da hora do rush, caso contrário poderia levar muito tempo para tirar a comida. O restaurante abria as 13.30h e o melhor horário para chegar era entre uma e meia e duas e meia. Por conta da forte demanda, era certo que a comida era boa e os preços justos.

BILBAO 4.jpg
BILBAO 5.jpg
BILBAO 4.jpg
bottom of page